O novo tema de Mito Kaskas junta-se a uma série de temas que tem lançado nos últimos tempos. Em entrevista ao SAPO, o cantor falou sobre o bom momento profissional que está a viver e os planos futuros, nomeadamente a gravação de um quarto álbum.

Autor de vários temas de sucesso, entre eles “Tcheru Maleta”, que já lhe valeu a nomeação para os Cabo Verde Music Awards (CVMA), este ano (2018), Mito Kaskas optou por lançar alguns singles, alguns em colaboração com outros artistas.

Depois de algum tempo fora dos estúdios porque esteve dedicado à sua própria produtora de eventos, a ‘Bossons’, Mito começou 2018 com o lançamento de “Spreta”, com o Bino Branco. Seguiu-se  a participação no tema “Karanganhada” de Ricky Boy, cujo vídeo já conta com mais de 600 mil visualizações no Youtube.

Entretanto, Mito recorda que foi num momento de improviso, durante uma noite com amigos num dos espaços na capital, que surgiu o lema “Oh Deus Nhu leban só si”. O momento acabou por ‘viralizar’ nas redes sociais.

O tema lançado na passada quinta-feira, dia 1, foi produzido pela produtora Broda Music, do também cantor cabo-verdiano Djodje, e o vídeo foi gravado em vários bairros da cidade da Praia, nomeadamente, na zona de Di Nós, na Achada S. António, de onde Mito é natural.

Entre a produção de eventos e as apresentações em vários pontos do país, Mito revela que está a viver um bom momento profissional. “Nta pidi Deus pa levan só si ou mas”.

Apesar de não ter ainda um projeto a longo prazo com a Broda Music, o artista enaltece o trabalho da produtora e salienta que gostaria de continuar a trabalhar com a mesma.

Paralelamente, Mito revela que está trabalhar num projeto para entregar à Sony Music África. Os temas, 25 no total, serão todos em inglês e em ritmos africanos. “Vou mostrar o Mito a cantar num estilo semelhante ao Davido e ao Wizkid (cantores nigerianos). Se eles (a Sony Music) gostarem do trabalho, será um ganho para Cabo Verde”.

Possibilidade de lançar um novo álbum

Com três trabalhos lançados no mercado, sendo o mais recente, “Diplomata”, de 2014, Mito não descarta a hipótese de lançar um quarto álbum, apesar de evidenciar que no mercado atual é mais rentável lançar singles do que um álbum completo.

“Sempre quis gravar um álbum na Europa, mas agora quero focar-me neste CD em inglês (para a Sony Music)”, salienta.

Garante, contudo, que tenciona gravar um quarto álbum que seria um CD duplo (uma versão que aposta no rap e uma versão mais afro pop e comercial).

Mais à frente, o cantor confessa que gostaria de gravar este futuro trabalho com a produtora Broda Music. “Agora que já elevei a fasquia, não posso voltar atrás”, salienta.

Rivalidades no rap crioulo

Questionado sobre as alegadas rivalidades no rap crioulo, Mito admite que estas rivalidades existem até porque “o cabo-verdiano é um povo orgulhoso, desde nascença”.

Salienta o seu percurso na música e diz que há 15 anos que luta pelo rap crioulo, e que começou numa altura em que o rap era ainda marginalizado. “Fiz a minha parte, transformei (o rap) até que se tornou num ‘ganha-pão’”.

Discórdias musicais à parte, Mito desdramatiza e explica que “não existe uma rivalidade no sentido de “guerra” ou “inimizade”” e que mesmo as desavenças acontecem dentro da amizade.