O anúncio foi feito no dia 07 de fevereiro pela vereadora Carla Carvalhal, em representação da Câmara Municipal do Sal, na presença de José da Silva, da Harmonia lda, promotor da iniciativa, cujo projeto está orçado em 15 mil contos, devendo a autarquia entrar com cinco mil contos, desse montante.

Congratulando-se com esta iniciativa, Carla Carvalhal realçou que Sal Kriol Jazz Festival vai permitir trazer um factor inovador em termos de oferta turística e cultural na ilha.

“Reconhecemos a importância desse projeto para a ilha do Sal, já que a cultura e a nossa gente é a maior riqueza que temos em Cabo Verde”, expressou, justificando a razão pela qual a Câmara Municipal do Sal abraçou o projeto que também vai beneficiar toda a população, desde jovens a menos jovens.

Quanto ao homenageado, disse que a escolha recaiu sobre o músico e compositor Antero Simas, que, aliás, dispensa apresentações, embora natural de Santiago, adoptou Sal como sendo também sua ilha.

“Antero Simas é conhecido pelas suas grandes obras, e ‘Doce guerra’, música que fala sobre Cabo Verde, é uma das suas grandes composições, entre outros temas. Portanto, por todo o trabalho e contributo que ele tem dado para a cultura cabo-verdiana, foi o escolhido para ser homenageado nessa primeira edição Sal Kriol Jazz Festival”, manifestou.

A responsável camarária conclui fazendo fé que esta primeira edição do Sal Kriol Jazz Festival, é a primeira de muitas que virão “e com sucesso”.

Por sua vez, Djô da Silva, que trouxe o projeto para o Sal, fez a apresentação do cartaz daquilo que vai ser o Kriol Jazz Festival na ilha, e das atividades a serem desenvolvidas à volta do espetáculo musical de jazz.

“Agradecemos a Câmara Municipal por ter aceitado o projeto, porque desde criação do Kriol Jazz Festival, que pensamos trazer o festival para essa ilha, mas nunca foi possível. Até que enfim, já conseguimos chegar a um acordo”, exteriorizou, realçando que o objetivo do projeto é melhorar o ambiente musical cabo-verdiano.

“Trazendo músicos de fora, de alta qualidade. Quando falamos de jazz, falamos de grandes instrumentistas, fazer com que se encontrem, se entrosem com os músicos cabo-verdianos, e deixar alguma coisa no país. A experiência dos 11 anos na cidade da Praia tem dado resultado, e vamos tentar fazer igual no Sal”, explicou.

Da programação, Djô da Silva destacou, além de workshops, jam session, entre outras atividades, a realização do Kriol Jazz nas zonas periféricas, e desta feita, Palmeira é a agraciada, onde, uma semana antes do evento, a comunidade vai ser brindada com um show de jazz, grátis, com artistas locais.

Mário Laginha e Camané, JazzSal Project, Roosevelt Collier, Mirri Lobo, CaboCubaJazz e Salif Keita, são os nomes que vão subir ao palco da primeira edição do Sal Kriol Jazz Festival, na Praça Manuel António Martins, na cidade turística de Santa Maria.

A banda constituída por Sílvia Medina, Sandro Pimentel, Changay Chantre, Gil Duarte, Gabriel Mastronardi, Edson Santos, Hernani Santos e Cláudio Andrade, é também proposta de atuação no Sal Kriol Jazz Festival.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.