Divulgada este final de semana em Argélia, a decisão do júri, de acordo com uma nota de imprensa da Sociedade Cabo-verdiana de Música (SCM), surpreendeu a critica internacional, angariando aplausos generalizados, deste galardão que já é considerado como sendo o “Premio Nobel do Continente Africano”.

De acordo com o vice-presidente da SCM, Joaquim Andrade, o júri distinguiu o laureado pelo “conjunto de obras emblemáticas que tem vindo a desenvolver num trabalho incontornável pelo contributo vital que tem dado para o desenvolvimento do Cinema Africano, ao longo dos seus quase 50 anos de existência”.

“Neste setor por vezes tão posto de margem em África a Fespaco vem desempenhando um papel decisivo na cultura Africana, e tem sido um motor de divulgação com um poder de mensagem muito forte, tal como teria sido desejo da própria “Mama África” (Miriam Makeba)”, lê-se na nota.

Uma surpresa também especial, na noite do anúncio prémio Internacional da Criatividade Miriam Makeba foi a escolha do júri em atribuir uma menção honrosa à Fundação Miriam Makeba, “pelo incansável, dedicado e importantíssimo trabalho que tem feito desde a sua criação”.

A gala da noite do dia 30, que decorreu no Palácio da Cultura, em Argel, teve um ambiente mágico e reuniu as mais altas figuras dos setores da cultura e artes que tiveram oportunidade de assistir e apreciar, no final da cerimónia, o concerto de Solange Cesarovna, que levou a cabo-verdianidade à Argélia, brindando o público com mornas sublimes de autores, como Eugénio Tavares e B.Léza.

“A cerimónia da premiação teve ainda como um dos seus pontos mais altos, a união do público quando a artista cantou as obras de “Miriam Makeba” e a emblemática música “Pata Pata”, refere o comunicado.

Com efeito, o renomado autor da música “I am free in Algerie”, (Eu sou livre em Argélia) criada em 1972 para Miriam Makeba, ofereceu à Solange Cesarovna original da gravação, tendo sido a artista convidada para interpretar aquela música em fevereiro de 2019 também na Argélia.

O Prémio Internacional da Criatividade Artística “Miriam Makeba” da qual Solange Cesarovna integrou o corpo de jurados, premeia o vencedor com 100 mil dólares, montante patrocinado pelo Presidente da República de Argélia, Abdelaziz Boutafrika, mediante concertação com o Ministério da Cultura da Argélia e do Escritório Nacional de Direitos de Autor e Direitos Conexos (ONDA), congénere da SCM.

De referir que artistas cabo-verdianos também participaram neste concurso.