A 10ª edição do Kriol Jazz Festival arrancou neste sábado, 14, na cidade da Praia com o Zona Kriol. Este ano, Várzea foi o bairro escolhido para acolher o certame com entrada grátis.

A abertura do Zona Kriol esteve a cargo do músico e compositor Hilário Silva que subiu ao palco acompanhado de uma banda formada por Jorge Almeida, N’Du, Vando Pereira, Diego Gomes e Sílvia Medina.

O jovem brindou o público com temas do seu primeiro trabalho discográfico intitulado “Boas Palavras”. “Um dia bom”, “Dame nha terra”, “Djôdje”, “Mora na Mi”, “Ta pára” e “Manté” foram alguns dos temas interpretados.

Hilário Silva que participa pela primeira vez no Kriol Jazz Festival disse ao SAPO que foi uma honra fazer a abertura do festival. “É uma honra sentir que o meu trabalho está a ser valorizado. Como tinha dito numa entrevista, o KJF é o maior palco que temos no país. Então estar, depois de 1 ano e 2 meses de ter lançado o meu CD, no festival é uma honra. Estou sem palavras. É mais uma ‘injeção’ de adrenalina e auto-estima para fazer próximos trabalhos e continuar a batalhar”.

O músico, natural do Mindelo e que atualmente reside na capital do país, revelou que está a trabalhar no próximo trabalho discográfico. “Já tenho todos os temas escritos. Vou cantar temas de outros compositores, inclusive do meu pai. Os meus fãs podem esperar bastante amor neste novo álbum”, afirmou sorridente.

De seguida foi a vez, do baixista e cantor Wilson Silva subir ao palco. Esta não é a primeira vez que o neto do ícone do funaná e tocador de gaita, Bitori Nha Bibinha, pisa o palco do festival, mas como cantor é sua estreia.

O artista levou o público ao rubro com o seu estilo reggae, tendo interpretado temas como “Fidju de tudo Koitado”, “Ricardina” e “Fidju di Nho Manel” com o qual dividiu o palco com a cantora Elida Almeida. “ ‘Fidju di Nho Manel’ é a primeira música do meu CD. A Elida gostou do tema e acho que no futuro pretende grava-lo”, disse Wilson Silva que também partilhou o palco com o primo Osmar Moreira.

“Atuar na abertura do Kriol Jazz Festival foi um dos momentos mais felizes que tive nos últimos anos da minha vida”, disse o baixista que está a trabalhar o primeiro CD.

No relógio já passavam das 23h00 quando a brasileira, radicada em França, Flávia Coelho subiu ao palco, vestida pela Confeções Zany, para encerrar o primeiro dia do Kriol Jazz. Com a sua energia cativante, a cantora e compositora levou o público ao delírio, que dançou e pulou do início ao fim.

A cantora que tem três discos no mercado brindou os praienses com vários temas, entre os quais “Paraíso”, um tema que usou para descrever Cabo Verde.

Flávia Coelho que também atuou na sexta-feira, 13, no Festival “Nhu Sior du Mundu”, no interior de Santiago, disse ao SAPO que foi uma honra ser convidada para o KJF. “Cada vez que estou em África, sinto-me em casa. O público recebeu-nos com muito carinho. É uma alegria estar aqui”.

A cantora que está em Cabo Verde pela primeira vez disse que a música cabo-verdiana está na sua vida há muito tempo. “Adoro Cesária Évora, Lura e tivemos a sorte de ter a Elida Almeida aqui connosco. Adoro funaná e escuto morna. Quero escutar bastante o funaná enquanto estiver aqui”.

“A expectativa é ter casa cheia nos dois dias pagos”

Nesta segunda-feira, 16, arranca a VI edição Atlantic Music Expo que acontece até o dia 19 deste mês no Plateau. No último dia do AME, 19, o KJF continua com a atuação de vários grupos nacionais e internacionais.

No dia 19 de abril, na Praça Luís de Camões, será a vez da Marcha de Alfama (parceria AME/KJF) e o Grupo do Ceará.

No dia 20,primeiro dia pago do KJF, vão subir no palco os artistas Mário Lúcio (Cabo Verde), Stanley Jordan feat Thunder Duo (EUA/Hungria), Nathalie Natiembé (Reunião) e Seu Jorge (Brasil).

No dia 21, também pago, abre Sara Tavares, seguida de Ayo, Kriol Band (Jacob Desvarieux/Jowee Omicil/Hernani Almeida/ Yissy Garcia/ Boy G. Mendes / Thierry Fanfant / Mário Canonge) e por fim Bantu (Nigéria).

Em conversa com o SAPO, Djô da Silva disse que a expectativa é ter casa cheia nos dois dias pagos. “Os bilhetes do primeiro dia já esgotaram e esperamos que aconteça o mesmo no segundo dia. Tudo demostra que o público está bastante interessado neste cartaz. Ter um público contente e um bom show é o que queremos”.

Benito Lopes, também da organização, disse que a expectativa é elevada. “Acreditamos que esta edição vai ser marcante para a cidade da Praia e Cabo Verde. Por causa dos nomes que este ano que estão associados ao KJF e porque a produção está com boa energia”, afirmou e acrescenta que o público já espera anualmente pelo evento e que estão curiosos.

A 10 ª edição do Kriol Jazz é em homenagem as míticas bandas “Os Tubarões” e “Bulimundo.