O artista cabo-verdiano Loony Johnson encontrar-se na ilha de Santiago para participar no Festival Nhu Santu Nomi que acontece neste fim de semana, nos dias 26 e 27, na Cidade Velha.

Esta é a primeira vez que o artista vai participar a solo no certame. “A última vez que estive no festival foi como integrante do grupo TL Dreamz (que integrava com o cantor Tó Semedo)”.

Loony Johnson atua no sábado, 26, e promete um show animado e cheio de energia positiva. “Vou cantar temas do álbum ‘Believe’ e as músicas ‘Homi Grande’ e ‘Flá lá nos é kenha’ que têm feito muito sucesso. E espero conhecer os meus fãs da Cidade Velha”.

O tema “Flá lá nós é Kenha” foi lançado no mês de dezembro e já conta com mais de 300 mil visualizações no YouTube. Segundo o cantor, o feedback do público tem sido positivo.

“Estou a receber imensos vídeos de várias partes do mundo de pessoas a cantar a música. Para mim é sempre uma alegria conseguir fazer novos singles, trazer boas energias para os meus fãs e contribuir para uma noite bem passada em qualquer parte do mundo”.

No que se refere a agenda de 2019, Loony Johnson já tem confirmado um show no mês de março no Luxemburgo e em agosto na Holanda. “Tenho previsto também concertos em Angola, EUA e no Mindelo”.

Novo álbum em 2020

Loony adianta que já tem algumas músicas prontas e tenciona lançar um novo álbum no próximo ano. “Dentro de um ou dois meses posso vir a lançar um novo single no estilo kizomba. Há vários anos que não lanço uma kizomba e os meus fãs querem ver o Loony que conhecem há muito tempo. Estou com vontade de lançar músicas em kizomba”.

Para além de trabalhar em projetos pessoais, o cantor revelou ao SAPO que está envolvido em vários projetos de outros artistas nomeadamente Nelson Freitas, Anselmo Ralph, Djodje, Mika Mendes e Grace Évora.

Quanto às expectativas para este novo ano, Loony diz que está ainda a ver qual é o caminho certo a percorrer. “Já fiz vários estilos diferentes. “Homi Grande” é um estilo que nunca tinha feito, “Terra Sab” nunca tinha cantado reggae. Há também o afro house. Quero ver qual é o estilo que se adapta melhor à minha forma de cantar. Estou sempre a querer inovar e espero que as pessoas continuem a seguir os meus trabalhos”.