Em declarações à Inforpress, o cantor, que reside na Ribeira Grande, Santo Antão, disse que está na fase final de produção deste CD, cujo primeiro “single”, que dá nome ao álbum, já está disponível nas plataformas digitais.

Faltando apenas duas canções para encerrar o álbum, o artista está convicto de que este possa estar disponível no mercado em finais de abril ou início do mês de maio.

Enquanto isso, o cantor preferiu marcar presença na quadra festiva de Natal e de Fim de Ano com o ‘single’ “Mãezinha querida”, uma vez que, a ideia inicial era lançar o álbum no ano de 2017, mas devido a dificuldades financeiros, isso não foi possível.

“Mãezinha Querida”, segundo explicou, é um tema composto em 1983, apresentado no concurso “Todo Mundo Canta”, mas por ser diferente do tema do primeiro CD “Mornas de Santo Antão”, que era direcionado, exclusivamente, para paisagens e localidades de Santo Antão, “não deu para introduzi-lo, por ficar fora de contexto”.

“Mãezinha Querida”, realçou ainda, é um tema dedicado à sua mãe, mas também lhe estende à esposa, enquanto mãe, e à todas as mulheres do mundo.

Os trabalhos técnicos e de direção artística são assegurados por Kim Alves. Parte do trabalho foi feito nos Estados Unidos por Kim Alves e outra parte nos estúdios de Torre de Babel em Santo Antão, na cidade da Ribeira Grande, por Paulo Salomão.

Com 10 temas, o álbum é uma mistura de vários estilos tradicionais cabo-verdianos, como morna, coladeira, talaia baxu, colá sanjon e mazurca.

Neste álbum, Homero Fonseca disse que conseguiu reunir vários “compositores de renome”, como Mário Lúcio, Antero Simas, Hélio Cruz, Arlindo Évora (Cordas do Sol), Alberto Alves (Neves) e Zuzu Tavares.

O cantor, que é jornalista de profissão, disse ainda à Inforpress, que esses compositores lhe dão garantia de que vai ser um trabalho “muito bom” e que terá boa aceitação junto do público.