A gala derradeira, segundo Eurico Évora informou à Inforpress, “promete e muito”, uma vez que vai mostrar o resultado de mais esta edição de um “bom trabalho e grandes talentos”.

“Por isso, queremos ter o maior número de pessoas lá connosco neste evento, que é muito acarinhado pelos sanvicentinos, mas também pelos cabo-verdianos em geral”, lançou este responsável, garantindo um “grande concerto”, que terá o desfile de 24 músicas, duas para cada um dos participantes, na maioria da cultura tradicional cabo-verdiana.

“O nosso propósito foi sempre levar a música tradicional de Cabo Verde o mais longe que pudermos, por isso sempre foi uma exigência aos candidatos”, explicou o promotor, adiantando que ainda assim para deixar os participantes “mais à vontade” os deixaram escolher uma música ao seu gosto, mas “90 por cento (%) acabou por escolher a tradicional”.

Este evento, que será a última de seis galas eliminatórias, que decorrem desde 18 de abril, vai ter participação de jovens oriundos do centro da cidade do Mindelo, mas também de zonas como Chã de Alecrim, Madeiralzinho, Bela Vista, Ribeira de Craquinha, Monte Sossego e Cruz João Évora.

Entre estas, Chã de Alecrim será a zona mais representada com três participantes.

Serão ao todo sete vozes femininas e cinco masculinas, que, em princípio, serão as únicas estrelas do espetáculo, uma vez, que, segundo Eurico Évora, a ideia é concentrar “toda atenção” nestes talentos “muito bem preparados” e com uma “boa desenvoltura individual”.

Isto, porque, ajuntou, a organização, a partir desta oitava edição, tem apostado em transformar o Todo Mundo Canta (TMC) numa “plataforma musical”, em que todos os 20 concorrentes que participaram do concurso, tiveram a possibilidade, além dos ensaios, de ter aulas teóricas de conhecimento musical e ainda de práticas vocais.

Todo um ingrediente para Eurico Évora garantir uma “noite em grande” no próximo dia 16 num dos hotéis da cidade do Mindelo, em que sairá o grande vencedor desta edição de 2019, que receberá, pelo menos, um prémio monetário de 25 mil escudos e certeza de participação na final nacional.

Esta final nacional, que, segundo o mesmo promotor, já está “praticamente garantida” e com quase todas as ilhas com as presenças confirmadas, para o evento marcado para 21 de julho próximo.

No entanto, para esta última gala em São Vicente Eurico Évora pede que o público possa aderir “em massa”, já que é o “parceiro mais forte” desta iniciativa.

“Queremos ter o público a nos apoiar, mas também as empresas que quiserem ainda estamos abertos a parcerias, porque, caso tivermos mais apoios, com certeza podemos fazer muito mais do que estamos a fazer”, concretizou.

Eurico Évora disse que também têm em agenda a realização “em breve” de um outro concerto com a participação dos finalistas do TMC, em que além de atuações individuais, também prevê-se a atuação com duetos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.