Dois anos depois de disponibilizar no mercado o seu primeiro álbum “Folclore”, que lhe valeu várias distinções com prémios nacionais e internacionais, Cremilda Medina volta a entrar em estúdio para dar continuidade ao seu projecto musical.

“Best World Music” nos EUA, “Melhor Morna 2017”, “Sapo Awards 2016” e “Sapo Awards 2017”, em Cabo Verde, são alguns dos prémios conquistados por Cremilda Medina, que faz parte da nova geração da música popular/tradicional de Cabo Verde.

Cremilda Medina disse à Inforpress que prefere não avançar, exactamente, quando o novo trabalho estará disponível no mercado porque não gosta de avançar uma data e não cumprir além do facto de não querer fazer “nada as pressas”, garantindo apenas que será um CD igual ao “Folclore”.

“Não irei aventurar-me por outros estilos porque quem me conhece sabe que Cremilda é morna e é por aí que eu vou”, disse a artista que promete “continuar na linha da morna e trazer muitos mais sentimentos”.

“Serão músicas que eu gosto porque para mim cantar só por cantar não vale a pena”, explicou Cremilda adiantando que tem de gostar da composição, da melodia e achar que o trabalho também vai agradar às pessoas”.

Esta jovem que segue os passos da Cesária Évora não quis revelar o nome do novo álbum mas por agora adianta que terão temas originais e temas que vão ser regravados.

Sem levantar muito o véu, avançou ainda que o primeiro “single” deste trabalho traz um dueto com Tito Paris e contém ainda muitas surpresas.

Neste trabalho, informou, as pessoas vão ver e ouvir uma Cremilda Medina mais madura.

“Todo o artista no seu percurso vai amadurecendo e eu acredito que ainda não cheguei naquela fase de estar totalmente madura. Estou numa fase de aprendizado e acho que estou melhor do que estava no Folclore”, assegurou.

Apesar de afirmar que gosta de todas as mornas e de todos os compositores, esta jovem não esconde que nutre um carinho especial pelo compositor Manel D´Novas, que segundo revelou, tem sido uma “bênção na sua vida”.

“Os prémios internacionais que recebi foram através das composições dele, o “Nôs Morna” e o “Divôrce um´ca ta sená”, dois `Best world music´. Ele tem sido a minha estrela-guia e a minha força”, enfatizou.

Cremilda Medina actuou na noite de quinta-feira, 12, no Centro Cultural de Cabo Verde, em Lisboa – Portugal, numa sessão musical acompanhada de Humberto Ramos e banda, para celebrar o dia nacional da Morna, assinalado no dia 03 e, ao mesmo tempo, celebrar a classificação da morna como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Este sábado, a artista vai estar em São Vicente para participar num evento solidário de angariação de fundos para apoiar o músico Jorge Silva, conhecido como Djodje de Meri Preta, da banda Serenata.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.