"Posso vos garantir que ainda este mês o Ministério da Cultura receberá todas as indicações sobre a classificação ou não, porque o Comité Científico que está a avaliar o dossier neste momento deve estar reunido em Paris e nós teremos mais ou menos as indicações com algum tempo de antecedência", garantiu.

O ministro falava à imprensa no final do ato de descerramento da placa para o arranque das obras de requalificação urbana do Centro Histórico da Cidade Velha, Património Mundial da Humanidade.

Abraão Vicente explicou que, ainda este mês, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares, vai representar o país na 40ª. Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que acontece de 12 a 27 de novembro, em Paris, e que será uma "antecâmera" do que pode ser a decisão.

O titular a pasta da Cultura cabo-verdiana disse mais uma vez estar confiante numa decisão positiva, afirmando que o "trabalho de casa foi feito como deve ser feito".

"Cumprimos pela primeira vez a exigência histórica de fazer um dossiê e entregar, muito mais do que apelar a um sentimento nacional à volta da morna", salientou o governante, informando que vai sair agora uma coleção em homenagem aos cultores do género musical cabo-verdiano e que todos os atores da sociedade civil estão engajados no processo.

"Eu tenho a confiança a 100%, não tenho dúvidas de que a morna será classificada património da humanidade", prognosticou Abraão Vicente.

Cabo Verde apresentou em março do ano passado a candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade, cuja decisão pública deverá ser conhecida entre 09 e 14 de dezembro, em Bogotá, Colômbia, durante a reunião do Comité do Património Cultural Imaterial da UNESCO.

Em entrevista esta semana à agência Lusa, o especialista português na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, como o fado, o cante alentejano e a arte chocalheira, Paulo Lima, disse estar expectante em relação à decisão deste organismo, mas também confiante na inscrição.

Este antropólogo fez parte de uma equipa que trabalhou na elaboração do dossiê de candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.