Segundo o edil Francisco Tavares, este protocolo veio formalizar e oficializar o acordo que sempre teve entre estas instituições, para “facilitar” todas as atividades da Sete Sóis Sete Luas (SSSL) na ilha.

As atividades da SSSL tiveram início na ilha desde 2012 e anualmente tem sido realizado várias atividades de índole cultural.

No âmbito deste protocolo, a câmara cede o espaço da ex-residência do presidente da câmara, para ser a sede das atividades da Associação SSSL, desde shows musicais, com a banda local e outros artistas internacionais que vêm sempre para a ilha.

O mesmo espaço acolherá exposições de pinturas, formações gastronómicas e em arte, e algum festival de cinema, além de acolher outras atividades relacionadas com as atividades da associação SSSL.

Por sua vez, a Associação SSSL, assume a responsabilidade de custear e suportar todas as despesas de trazer para a Brava os artistas e formadores ao longo do ano, continuar a ministrar formações para músicos, na área do teatro, na gastronomia, pintura, fotografias, além de patrocinar e promover a “street art” que já decorreu na ilha algumas vezes.

A exigência do protocolo é que este seja renovável automaticamente de quatro em quatro anos, e a discussão da renovação ou não é feita sempre logo após as eleições autárquicas e a tomada de posse da nova equipa camarária.

Sempre que houver mudança de equipa camarária, esta fica responsável pela renovação durante o mandato e a cedência da residência fica ao critério da equipa também.

A associação SSSL comprometeu-se a dar continuidade aos apoios com formação, promoções e digressões do grupo musical Brava 7Luas Band.

O edil considera a implementação do Festival SSSL na ilha como sendo “extremamente positiva”, porque segundo o mesmo, durante os sete anos na Brava, várias foram as atividades e os ganhos.

Mas a parte mais visível, para Francisco Tavares, foi a “criação da Brava 7Luas Band”, que tiveram oportunidade de receber formações com artistas renomados de diversos países onde a SSSL está implementada, como também, as várias digressões que o grupo fez a nível nacional e internacional no âmbito do festival.

Destacou também as outras atividades culturais que já aconteceram na ilha, com a presença de vários grupos internacionais e de outras unidades SSSL em Cabo Verde, formações nas diversas áreas a nível cultural, além das diversas exposições que o centrum acolheu na ilha, que acabou por dinamizar a cultura da ilha.

Ainda na noite de terça-feira, houve espaço para inauguração de uma exposição de pintura, show da Banda Brava Sete Luas, abertura de um Festival de Cinema Italiano, onde haverá projeção de filmes durante 15 dias e degustação de pizza italiana e tortilla espanhol.