O hit “Nos ki tem” já é uma “presença” constante nas rádios e redes sociais. A autora Blacka tem 24 anos, um EP no mercado e já está a preparar o segundo para sair ainda este verão.

Lisamara Xavier Gomes da Silva é o nome próprio de Blacka que nasceu em Portugal e é a “codé”, já que é a última de cinco irmãos. Começou a cantar com sete anos por influência de um dos irmãos que era rapper.

“A primeira vez que subi ao palco para cantar rap foi o momento que mais me marcou, fazia parte de um grupo com o meu primo Jair e mais dois amigos. Estávamos num ATL (Atividade de Tempos Livres) e nessa altura faziam-se eventos solidários para ajudar crianças carenciadas. Escrevemos uma música dedicada às crianças de rua e a entrada para o evento era feita com a entrega de géneros alimentícios”, recorda.

E foi assim que nasceu a paixão pelos palcos. “É uma sensação boa sentir as pessoas a baterem palmas”.

Aos 11 anos, os pais de Lisamara, naturais da cidade da Praia, decidiram voltar para Cabo Verde, mas ela quis ficar na Europa e foi morar com uma tia em Inglaterra. Fez os estudos secundários nesse país e depois de umas férias que foi passar a Portugal já não voltou mais para a Inglaterra. Tinha 22 anos.

“Estive durante este tempo longe da música, mas quando voltei (a Portugal) resolvi que tinha de correr atrás do meu sonho”.

"Nos ki tem" foi a rampa de lançamento da carreira de Blacka

Continuou a cantar rap e também apostou no reggae. “Durante uma atuação em que houve uma transmissão em direto nas redes sociais, um produtor assistiu e entrou em contacto comigo”.

Foi assim que passou a fazer parte da Billy Family Reords. Em 2017, assinou um contrato com a produtora e lançou o EP “From The Roots” que traz estilos como o rap, “afro-décalé” e outras misturas.

“Nos ki tem”, um dos oito temas que compõem o EP, foi a rampa de lançamento para a carreira de Blacka. “Quando comecei a viajar para outros países e vi a dimensão que a música tinha alcançado fiquei surpresa. Não esperava”, conta com os olhos sorridentes.

“A música (Nos ki tem) surgiu durante uma brincadeira em casa de uma tia e, a caminho do estúdio, escrevi a letra”, lembra. Aliás, Blacka é autora de todas as suas músicas.

“Inspiro-me nas minhas histórias e na de pessoas que estão próximas. É como fazer um livro de histórias", explica.

Na Europa, Blacka já se apresentou em Portugal, França e Luxemburgo e em Cabo Verde já atuou, no ano passado, no Festival de Areia Grande, em Santa Cruz, recentemente no Festival Nha Santa Catarina, em Assomada e na segunda edição do “Amor para Txada”, na cidade da Praia. Tem agendado uma apresentação na ilha do Sal ainda esta semana.

Participou recentemente nos singles “Sabura na Boia” com o MC Bife, e “Un Grog” com o Loreta e os 2Much.

Dos artistas nacionais, Blacka confessa que é fã do Grace Évora, do Bitori nha Bibinha, Chando Graciosa, Zeca nha Reinalda, entre outros.

"Era um sonho. Consegui e, agora, tenho que pega-lo com força"

A viver agora entre Cabo Verde e Portugal, a artista confessa que deseja subir aos grandes palcos nacionais como o Gamboa e o Baía das Gatas. “Acredito que estou a traçar o meu caminho. Tenho dado tudo de mim para ter esta oportunidade. Quando cheguei (em Cabo Verde) para atuar pela primeira vez, fui recebida de braços abertos e foi uma sensação incrível”.

Se não pudesse fazer música, Blacka diz que ia agarrar-se a qualquer outro trabalho porque tem de se sustentar, mas não tem outra paixão que trocaria pela música. "Era um sonho. Consegui e, agora, tenho que pega-lo com força".

“Tenho uma paixão enorme pela guitarra mas não tenho paciência para aprender”, afirma e confessa que é muito preguiçosa.

Depois que regressar a Portugal, a artista quer fazer uma pausa nos shows e concentrar-se na gravação do novo trabalho que deve chegar aos mercados ainda este verão.

“Vou manter o mesmo estilo mas desta vez vou colocar um reggae que já me pediram há algum tempo”.

“Quero agradar cada vez mais os meus fãs pelo mundo. Vai sair mais um EP, no verão, e espero que gostem. Prometo continuar a dar tudo de mim”, diz e deixa “um agradecimento especial à família Billy Records que muito tem puxado por ela”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.