“Somada Music Market”, organizado pela empresa Odja Art, que conhece esta tarde (18:30) a edição inaugural de uma iniciativa que se irá realizar ao longo do ano, é destinado aos profissionais da indústria musical e terá como pano de fundo show cases, conferências, fóruns, talk eventos e workshop versando temas ligados ao sector.

“O mercado musical varia em torno de algumas variáveis como: a qualidade artística, a estrutura de suporte de trabalho e as plataformas de divulgação. E, o mercado nacional não é excepção. Existe um número, surpreendentemente, grande de qualidade no panorama artístico nacional, com um grande enfoque na música”, disse à Inforpress o mentor deste projecto musical, Cris da Lomba.

Por tudo isso, defendeu que é necessária a criação de cada vez mais plataformas de exportação da produção nacional, proporcionando contacto directo com profissionais da indústria músical, facilitando em processos como: procura de gravadoras, agendas com bookers, contratos com agências publicitárias e entre outros.

Daí, segundo ele, a razão do surgimento da “Somada Music Market (SMM)”, que indicou pretende promover a música feita por cabo-verdianos criando caminhos para que as suas obras sejam expostas aos profissionais buscando a sustentabilidade a longo prazo.

Questionado o porquê da escolha de Assomada, Santa Catarina, no interior de Santiago, para acolher o evento, o responsável respondeu nesses termos: “A cidade de Assomada surge aqui como ponto de partida, porque a mesma sempre foi um berço de enormes talentos musicais e durante muitos anos as melodias compostas e interpretadas por estes artistas levaram o mundo da cidade a diferentes partes do mundo”.

A título de exemplo, apontou nomes como o falecido artista Norberto Tavares, Gil Semedo, Suzana Lubrano, Rapaz 100 Juiz, Kino Cabral, Jay, e entre outros.

Com isso, o também director CEO e creative director da Odja Art avançou que a SMM pretende, dentro de um projecto de descentralização dos palcos culturais, devolver a fama que aquele município do interior de Santiago detinha outrora.

Para tal acontecer, Cris da Lomba advoga que as dinamizações e eventos, dentro do mercado, com participações tanto de intervenientes nacionais e como internacionais, colocarão a cidade de Assomada no roteiro cultural nacional, tornando-se referência em eventos do gênero.

Nesse sentido, disse acreditar que com essa “nova dinâmica” a cidade de Assomada terá o aumento de fluxo turístico tanto nacional como internacional, e principalmente num cenário futuro onde contará com alguns eventos físicos.

E dada à situação por que passa o País, a mesma fonte assegurou que o certame será transmitido “100 por cento (%) online”, aliás, afirmou que essa transmissão vai fazer com que a “Somada Music Market” se torne no “primeiro mercado digital da música da África Ocidental”.

É que, conforme explicou, tenciona-se com este mercado “uma aproximação entre os artistas e os profissionais da indústria da música cabo-verdiana, com os homólogos do mundo inteiro”.

A primeira edição da “Somada Music Market” termina este sábado e vai ser assistida a nível internacional, mas, as próximas edições, mormente a de Outubro, segundo o mentor vão contar com participações directas de delegações internacionais.

Inforpress/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.