O primeiro dia do Festival Gamboa 2017 arrancou nesta sexta-feira, 19, a hora marcada, 22h00, ao som do artista Princezito, perante um público ainda escasso.

O músico natural de Tarrafal de Santiago subiu ao palco acompanhado de uma banda formada por Khaly Angel, Ivan Medina, Jorge Pimpas e Wilson Silva. Durante a sua atuação, Princezito interpretou vários temas, entre os quais “Lua” que dedicou ao atleta cabo-verdiana Gracelino Barbosa, neto de Nácia Gomi.

“Sinto-me orgulhoso em atuar num festival em homenagem a Nácia Gomi. É uma tristeza porque ela já não se encontra entre nós, mas é também uma alegria pela admiração que tenho por ela", diz Princezito ao SAPO, no fim da sua atuação.

De seguida foi a vez de Bob Mascarenhas subir ao palco do Gamboa e prestar a sua homenagem a rainha do ‘finason’. O cantor que atuou pela primeira vez no certame disse que foi uma responsabilidade enorme homenagear Nácia Gomi.

 “Tenho grande orgulho porque somos filhos da mesma localidade e por isso que presto esta homenagem com todo o carinho e respeito pelo que Nácia Gomi fez pela nossa cultura. Tenho certeza que consegui agrada-la lá onde ela se encontra” disse, convicto que também conseguiu agradar o público.

Jennifer Dias e Loony Johnson estreiam-se no Gamboa

O relógio marcava 23h40 quando a cantora cabo-verdiana, radicada em França, Jennifer Dias subiu ao palco para a alegria do público que estava eufórico. A artista cantou vários temas conhecidos, entre os quais “Sorry” e “I Need You So”.
 
Jennifer, que pisou o palco da Gamboa pela primeira vez, disse apesar de viver em outro país, Cabo Verde está sempre no seu coração. “Para mim, a cultura é importante”.

“No início estava emocionada, mas tudo correu bem. Sei que Gamboa é um festival importante no país, então queria dar ao meu público um show de qualidade. O público foi bastante recetivo, cantaram e dançaram do início ao fim”, salientou visivelmente orgulhosa da sua atuação.

Jennifer Dias revelou ao SAPO que está a trabalhar em vários projetos e que no mês de julho vai lançar um novo videoclip onde também vai revelar o seu lado de bailarina.

Pela segunda vez no Festival Gamboa, o grupo Rapaz 100 Juiz levou hip hop ao  certame, tendo levado o público ao rubro.  

“É a nossa segunda vez no festival, mas acho que este ano foi melhor. A nossa atuação no Gamboa 2017 é um dos melhores shows que já realizamos este ano. Foi algo muito bom”, afirma Péricles Costa, o PnC.

A dupla Péricles Costa (PNC) e Carlos Monteiro (CMC) partilhou o palco com os artistas Sílvia Medina, Éder Xavier e o luso-cabo-verdiano Loreta, e no repertório estiveram temas como “Amor ta Salva”, “Alô Cabo Verde”, “Vali pena” e “Santa Catarina”.

Segundo Éder Xavier, foi excelente o momento de partilha com os Rapaz 100 Juiz. “Foi uma oportunidade de estar perto dos meus fãs e admiradores e sobretudo foi uma forma também de renovar laços com a dupla”.

Por sua vez Loreta disse que foi espetacular dividir o palco com a dupla. “Hoje foi a minha estreia no Gamboa e apresentamos uma música nova. Foi espetacular”.
O rapper PnC revelou ao SAPO que, neste momento, estão a trabalhar num novo álbum previsto para este ano.

Outro artista que se estreou no Festival Gamboa foi Loony Johnsoon, que como o seu “Da Kel Bo Toki” levou o público presente ao rubro. Sucessos como “Dja ká da”, “Terra Sabe” e “Vai Vai” não faltaram no repertório que o músico apresentou. O público acompanhou eufórico a atuação.
 
No final, Loony Johnson desceu do palco e fez o delírio dos fãs.

“Foi uma honra estar aqui. Acompanho o Gamboa desde pequeno e sempre foi um palco em que desejei estar. Estar aqui hoje a fazer parte de uma edição do Gamboa é um sentimento inexplicável”, afirma.

Loony Johnson confessou ao SAPO que está a trabalhar numa nova música que pretende lançar em breve e em alguns projetos de artistas como Lura, Grace Évora e Nelson Freitas.

Anthony B: “Nish Wadada é a rainha do reggae”

Já passava das 03h00 quando o artista jamaicano Anthony B subiu ao palco para encerrar o primeiro dia do Festival do Gamboa 2017. Com a sua energia cativante, o músico presenteou o público presente com ritmos jamaicanos como reggae, dancehall e ska.

O momento mais alto da sua atuação foi quando convidou a cantora cabo-verdiana Nish Wadada para subir ao palco.

Segundo Anthony B, que já tinha estado em Cabo Verde, mais precisamente, no Sal e em São Vicente, Nish Wadada é a rainha do reggae.

Para a cantora cabo-verdiana foi um “privilégio” e um “prazer” dividir o palco com o jamaicano. “Já tínhamos lançado um vinil em conjunto, por isso que foi importante este encontro no Festival do Gamboa. Senti-me orgulhosa”, salientou a cantora que vai partir para mais uma tournée pela Europa no próximo mês.

No verão Nish Wadada vai lançar um novo EP, mas para já prefere não revelar detalhes.

O primeiro dia do Festival 2017 que estava previsto para terminar as 04h00 chegou ao fim por volta das 04:45.
 
Segundo a Polícia Nacional e a Cruz Vermelha o primeiro do evento correu na normalidade, sem incidentes graves.

“Da nossa parte não tivemos muito trabalho, as pessoas portaram-se da melhor forma possível. Foi feita apenas uma evacuação para o Hospital Agostinho Neto, mas nada de muito grave”, disse o coordenado da área da saúde da Cruz Vermelha, Pedro Bettencourt.

Este ano o Festival do Gamboa voltou a ser transmitido pela Televisão Nacional.

Fidju di Codé di Dona, Bulimundo, Djodje, David Brazão, Willy, Zé Espanhol e C4 Pedro são os artistas que vão animar o segundo dia do certame.