Sem demoras e com o recinto já bem composto, o segundo dia de música na Baía das Gatas começou pouco depois das 21 horas com Vlú e sua banda.

O co-fundador do festival cantou Mindelo, cidade que "está sempre no coração". Não se ficou pelas composições carnavalescas trazendo temas noutros estilos inclusivmente novos. Mandingas de Ribeira Bote também tiveram o seu momento de glória durante a actuação do cantor. Invadiram o palco e levaram todos a dar um passinho de dança.

A actuação de Vlú teve a duração de quase duas horas.

Faltavam quinze minutos para a meia noite quando se ouviram os primeiro acordes que deram início a actuação de Grace Évora. Durante uma hora e meia o "menino de Salamansa" fez vibrar o areal da Baía das Gatas.
“Fema especial” foi primeira música que Grace cantou e seguiu-se um medley dos seus maiores sucessos, quer da sua carreira a solo, quer do seu antigo grupo“Splash”. “É sempre uma honra pisar o palco deste festival, que é mãe e pai de todos os festivais de Cabo Verde” afirmou Grace Évora no fim da sua actuação.

No show Grace Évora convidou ainda Chachi Carvalho, cantor residente nos EUA que actua no último dia do festival para interpretarem juntos um tema.

Durante o intervalo que veio a seguir à actuação de Grace Évora chegou, quando todos menos esperavam, a surpresa que a CMSV havia prometido para este sábado.

Perto da uma hora e meia da manhã e por cerca de 20 minutos a baía recebeu uma chuva de fogo de artifício ao ritmo da música a comemorar os 30 anos do festival. Momento emocionante que tocou a todos presentes.

Babado Novo subiu ao palco eram já 2h30 minutos mas encontrou um público animado. O grupo brasileiro que actua pela primeira vez em Cabo Verde trouxe um repertório conhecido pela grande maioria com temas como "Poeira", "Beijinho no ombro", "show das Poderosas", entre muitos outros.

O à vontade em palco e a simpatia da vocalista Meri Antunes cativaram os que estavam mais próximos do palco. A cantora fez questão de dizer que muitos fãs e familiares estavam no Brasil e acompanhar o show em directo através da RCV e tirou diversas "selfies" com o público.

O grupo incluiu no repertório o tema "Sodade" como forma de homenagear Cesária Évora e Cabo Verde.

O reggae man, Capleton, mais conhecido por “Fire man”, subiu ao palco do festival eram quase cinco horas da manhã. O público, ainda numeroso, aguardava ansioso pela artista.

Capleton encheu a praia da Baía com o seu estilo peculiar e todos vibraram ao som do seu reggae.

E assim terminou mais uma noite do festival Baía das Gatas, já com o raiar do sol.

Mais tarde, a partir das 18 horas todos os caminhos vão dar à Baía das Gatas.

No palco vão estar Chachi Carvalho, Djodje e Anselmo Ralph.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.