O encerramento do Festival da Gamboa arrancou por volta das 15h00 com o Gamboinha que este ano aconteceu nos dias 19 e 20 em frente à Electra que foi transformado num parque de diversões com brinquedos/insufláveis, com direito a dança, teatro, pintura facial, palhaços e arte circense com o grupo Enigma. Milhares de crianças marcaram presença no certame que encerrou por voltas das 19h00 dando assim lugar ao Gamboa Jovem que arrancou com cerca de 1h30 de atraso.

O grupo “Fresh Band” subiu ao palco por volta das 20h22. Na sua estreia no Festival da Gamboa o grupo brindou o público com “músicas vibrantes” como “Despacito”. “No palco do Festival da Gamboa já passaram vários artistas nacionais e internacionais de renome, então é um privilégio pisar o palco pela primeira vez. Foi bastante positivo”, disse Ima Cabral, um dos integrantes do grupo.

Do bairro Achada Eugénio Lima chegaram os Kandjulado, um grupo de amigos que surgiu no corpo de Escuteiros Católicos de Cabo Verde e que há cerca de quatro anos começou a cantar.

O grupo, que atuou pelo segundo ano no certame, disse que foi "espetacular" a voltar a marcar presença no evento. “Nha disispero”, dedicado a Edvánia e a todas as crianças desaparecidas na capital do país foi um dos temas apresentados pelos Kandjulado.“O público vibrou com as nossas músicas e estamos contentes”, disse Walter Nick, um dos integrantes do grupo.

Já passava das 21h00 quando o Crack Brain pisou o palco do certame pela primeira vez. “Djam bai lady” e “Sarara Crioulo” foram alguns dos temas interpretados pelo grupo constituído por cinco jovens artistas.

De seguida Marcos Fonseca subiu ao palco e brindou o público com temas antigos como “Chupacaca” e “”Dança Puxa Cadera” e ainda com um tema novo intitulado “Dexa di Papia” que vai sair no novo álbum do artista previsto para o mês de setembro.

O Bons Amigos também passou pelo palco da 26ª edição do Gamboa. O grupo que atuou perante um público escasso disse que foi um “desafio” atuar numa noite dedicada aos jovens.

Os Salutboyz, constituído por quatro elementos, também atuaram no evento dedicado aos mais jovens. O grupo de R&B, que representou a produtora FTR no certame, revelou ao SAPO que pretende lançar um CD ainda este ano.

Pelo quarto ano no Gamboa Jovem, o artista Vha Bulla partilhou o palco com os Salutboyz mas também atuou a solo tendo interpretado alguns temas como “Nha Língua katem correnti” e “Incomenda Terra”.

Seguiram Yakuarella Band formada pelos artistas Xiomara Semedo e Ellah Barbosa mais vozes (Grace Fernandes e Edzana Almeida que participaram no programa Voice One).

Ellah Barbosa foi a primeira a subir ao palco, seguida de Grace Barbosa, Xiomara Semedo e por último Edzania Almeida, que é irmã da cantora Elida Almeida.

O relógio marcava 23h50 quando a Primitive Band pisou o palco do Gamboa Jovem pelo terceiro ano. “Paranóia” e “Infância” foram alguns dos temas apresentados pela banda de rock. “Foi uma oportunidade de apresentar o nosso novo álbum ‘Odju ki ta Txecou’ ao público, apesar de estarem poucas pessoas no recinto”, disse César Freitas.

A 26ª edição do Festival da Gamboa encerrou depois das 00h30 ao som do reggae com o grupo Rubera Roots Band que atuou pela primeira vez na cidade da Praia. O grupo constituído por seis elementos surgiu em 2012 na cidade de Lisboa.

A banda que está pelo segundo ano no país e que atuou, recentemente no Festival Sete Sóis Sete Luas, em Santo Antão, disse que foi uma honra atuar na ilha de Santiago pela primeira vez.

Da programação do Gamboa Jovem constava também atuação de Osmar Band, bem como de Ga DaLomba, que já estava no recinto pronto para subir ao palco, mas devido ao atraso não atuaram no certame.

Em forma de balanço o diretor da Cultura da Câmara Municipal da Praia, Ivan Santos, disse que por este ano o evento ser gratuito, em termos de público, superou as expectativas e teve boa interação dos artistas que passaram pelo palco nos três dias do certame.

Questionado sobre a pouca adesão por parte do público no Gamboa Jovem, Ivan Santos afirmou que se deveu ao facto deste ano o Gamboinha ser noutro palco. ”Por ser noutro palco, algumas pessoas que participaram no Gamboinha optaram por ir para casa. Do resto, correu tudo bem”.