O músico cabo-verdiano, intérprete de mornas e coladeiras, comemora 25 anos de carreira. Numa noite que se adivinha inesquecível, vai levar ao palco do B.leza Clube temas dos sete discos que editou, destacando-se os clássicos "Pidrinha de Soncent", "Móiabo um Consolá", "Mindel Berço", "Vendê Luz" "Nha Refuge", "Poder de Ilusão".

Vou cantar, como habitualmente, temas do meu repertório, todos da minha autoria e criação, incluindo músicas do meu mais recente disco”, revelou durante os ensaios do espetáculo.

Assim, o público do B.leza vai poder viajar até às ilhas que viram nascer Jorge Humberto. "Cabo Verde é a minha fonte de inspiração", afirma o músico nascido em Mindelo e que vive entre Portugal e França.

No mais conhecido clube africano de Lisboa e acompanhado da sua viola, o artista, também conhecido como Joe Cocker de Cabo Verde, lançou sete discos em 25 anos de carreira: "Guenta" (1992), "Móiabo un Consola" (1994), "Porto Experimental" (1998), "Identidade" (2005), "Ar de Nha Terra" (2009), "Ar Puro" (2014) e "Nôv 'Astral" (2016).

No próximo ano, pretende lançar mais um álbum. “Já ando a pensar nisso e a prepará-lo calmamente", adianta.

As suas músicas já foram gravadas por cantores como Fantcha, Ana Firmino, Biús, Mariana e Maria Alice.

Antes de ser músico, Jorge Humberto foi eletricista, mas um acidente obrigou-o a deixar Cabo Verde para fazer tratamentos. Para ganhar dinheiro, decidiu fazer músicas e nunca mais parou.

Na última sexta-feira do mês, espera-se uma noite de festa em que os temas mais antigos se misturam com os mais recentes lançamentos. As portas do B.Leza Clube, situado no Cais do Sodré, no centro da capital portuguesa, abrem às 22h30 e a viola de Jorge Humberto começará a entoar pelas 23h00. A entrada custa dez euros (com cinco de consumo).