Mais uma vez, este certame, orçado em cerca de 4000 contos, vai transformar o centro histórico do Platô num “grande palco” à volta da música e de todas as actividades culturais existentes na Cidade da Praia.

Na sexta-feira 21, dia da abertura, o palco será das vozes femininas como Solange Cesarovna, Bety Patrícia, Cremilda Medina e Nancy Vieira.

Segundo explicou à Inforpress, esta homenagem vai no sentido de reforçar a candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, e para valorizar as mulheres que têm projectado a música de Cabo Verde a nível nacional e internacional.

“Sabemos que viver das artes é difícil em Cabo Verde, e no mundo inteiro, mas mulher vivendo da arte e da cultura ainda é mais difícil, portanto elas merecem esta homenagem”, enfatizou.

Na mesma noite será apresentada a peça “2 sem 3” e um momento de poesia com Vera Cruz, para além de desfile de tabanca e execução no local de trabalhos de pintura em tela, esculturas, olaria e pintura na pedra, pela Casa das Artes, durante dois dias.

No sábado, 22, a proposta é transformar o Platô num “grande palco” com a realização de 21 atividades, desde roda de batuco, com mais de dez grupos, palco tradicional em Ponta Belém com grupos de renome como Bulimundo, Fidjus di Code di Dona, Xibiote e jovens de Ponta Belém.

Na praça criativa, o palco é dedicado às crianças com atuação do coral de escolas de ensino básico, mágicos, animação de palhaço, pintura facial e teatro, entre outras actividades.

Como é habitual, informou, o palco do Liceu Domingos Ramos acolhe o “White Fashion”, com desfile de moda de crianças, jovens, adultos e idosos.

O campo de Ténis, recebe, por seu  lado, vários grupos de dança para um “salpicado a dançar”, enquanto a Praça Luís de Camões (Pracinha Escola Grande) será mais uma vez o palco da música cabo-verdiana, com actuações previstas do Grupo Adevic, Escola Pentagrama, Tibau, Ferro Gaita, Hilario Silva, Banda kaku Alves e Mindela Soares.

O palco jovem, na rua da Avenida Amílcar Cabral, vai ser encerado pelo Tubarões, mas antes disso atuam os jovens Ga da Lomba, Nunaus, Wilson Silva, Batchart, Osmar Band, Marcos Fonseca e Império Flow.

A Noite Branca reserva ainda espaço para roda de capoeira, feira de artesanato, noite de regada, noite cénica, concerto de bandas, cinema de rua, exposição de fotografias e pinturas, feira de doces, e Natal da Paróquia de Nossa Senhora da Graça.

Pela primeira vez acontece o Passus d'art, com apresentação da peça “Codé Di Dona”, de Mano Preto, e noite de guitarra com seis duetos.

Para o vereador, a Noite Branca vai continuar a ser um “momento especial” na cultura praiense e santiagueses, pois deixou de se um evento de pessoas da Praia, para ser um evento que acolhe pessoas de todos os municípios de Santiago.

O trânsito no Platô vai estar condicionado devido aos palcos que vão ser instalados em diversos pontos, por isso o vereador aproveitou para pedir desculpas pelo incómodo e apelou para a compreensão dos praienses, principalmente aqueles que habitam o Platô.