Em declarações à Inforpress, a escritora revelou que foi como muita alegria que recebeu o convite para ser uma das oradoras no Festival de Livro de Malta, evento que “celebra a cultura do livro e procura representar o livro na sua totalidade”.

Vera Duarte deverá dissertar sobre “Literatura e diáspora”, uma abordagem que, segundo a escritora, vai se basear muito no modelo literatura-mundo, uma plataforma que permite dialogar sobre a escrita e o seu processo e troca de experiências entre os participantes.

Para Vera Duarte, participar neste evento representa uma grande oportunidade de levar a voz de Cabo Verde à Capital Europeia da Cultura 2018 e divulgar a literatura cabo-verdiana, que no seu entender “está a viver seu grande momento”.

“A literatura cabo-verdiana tem estado a ganhar muita visibilidade, é claro que isto se deve também ao facto de termos algumas editoras que vêm fazendo um trabalho magnífico de divulgação dos autores cabo-verdianos. Também desde o ano passado temos assistido a uma novidade extraordinária que é a realização de festivais de literaturas na nossa terra”, disse.

Sublinhou, por outro lado, que os dois prémios Camões conquistados pelo escritor Arménio Vieira em 2009 e pelo Germano Almeida em Maio último, são acontecimentos que “engrandecem a literatura cabo-verdiana e motiva os agentes literários a continuarem a elevar o nome de Cabo Verde ao mais alto nível”.

A escritora frisou, no entanto, que não obstante os ganhos que a literatura cabo-verdiana tem conquistado, “editar livros em Cabo Verde continua a ser uma grande peregrinação”, isto, porque segundo Vera Duarte, nem todos têm conseguido realizar essa tarefa por falta de meios.

“Cabo Verde não é uma praça empresarial muito ampla, continuamos a necessitar de mais apoios para as edições. Para dar exemplo, a Academia Cabo-verdiana de Letras quando quer editar uma revista literária é sempre um bater às portas para mobilizar financiamento”, revelou.

O Festival do Livro de Malta, realizado anualmente, é o mais importante evento de livros do calendário maltês.

O objectivo é incentivar a leitura e a alfabetização, promovendo livros como um meio de aprendizado, envolvendo o público em discussões inteligentes com escritores, autores, editores, e especialistas em várias áreas de estudo e interesse académico.

Actualmente, o evento tem uma taxa de participação de cerca de 30 mil pessoas e conta com a participação de mais de 40 expositores. Seu programa cultural apresenta mais de 50 eventos em lançamentos de livros, apresentações de livros, leituras de poesia, reuniões com autores, conferências e seminários.