Segundo Ga DaLomba, que há cerca de dois anos divulga o seu projeto “Nunca experimentar” e Kleidir Fortes, também conhecido por Damos Lod Escur, decidiram unir-se e espalhar as mensagens das “perdas” do consumo e dos “ganhos” de se viver na recuperação, que os dois sentem na pele como ex-toxicodependentes.

“Trazer provas vivas de que é possível viver na recuperação, sem consumo de drogas”. explicou o rapper da ilha de Santiago, que disse tentar mostrar aos alunos, que se quiserem alcançar objetivos, desde musical, profissional e de vida pessoal “é preciso viver sem consumo de droga”.

“Nós passamos pelo consumo e só perdemos, e de que forma, nós, a nossa família, mas agora estar na recuperação é uma bênção”, salientou Ga DaLomba, adiantando que as atividades decorrem durante uma semana em escolas secundárias, universidades e localidades do Mindelo, com o “foco não no tráfico, mas nas pessoas que consomem”.

“Todos nós sabemos que a droga não vai acabar, então o foco não está no problema, mas sim na solução. Eu até hoje não culpo a droga, porque fui eu que cheguei até ela, então é o próprio indivíduo, que é responsável pelo consumo”, advogou, acrescentando que tem estado a receber “vários feedbacks”, que o fazem querer “ser a luz para quem está no fundo do poço” e “a esperança nos rostos das mães”, que sofrem como sofreu a sua mãe.

Kleidir Fortes, rapper mindelense que neste momento vive na cidade da Praia, assegurou, por seu lado, trazer “dicas do amor próprio” para a sua ilha natal e onde começou a usar drogas, e que o fizeram ser “muito estigmatizado e julgado”, como um drogado e não como um doente.

“Fiz desse estigma algo positivo para fazer as pessoas verem que é possível”, ajuntou o jovem, que voltou à sua escola, a Escola Jorge Barbosa, onde disse ter conhecido as drogas, com 13 anos de idade.

“O meu sonho não era ser drogado e nem era o que escolhi quando criança, a minha atitude é que me fez usar drogas”, reforçou.

A programação do “Amor próprio é não experimentar” culmina neste sábado, 1 de dezembro, com um espetáculo musical “Rappers Unid”, que se realiza num dos hotéis da cidade do Mindelo, e que junta os dois rappers e outras vozes do hip hop crioulo, e ainda Bau, Princezito, Grupo Coral Escola Jorge Barbosa e a Orquestra Sab Sebim.

Um evento, que, segundo Ga DaLomba, vai levar não somente o “hip hop consciente”, mas também o “hip hop inteligente”.

“Podemos usar droga consciente, como eu usei, mas, vão mostrar que hip hop pode ser um veículo para movimentar o pessoal a viver longe das drogas”, concretizou o artista, que convida pais, filhos e todos a terem uma conversa aberta através da música.

Todas essas atividades enquadram-se nas comemorações de novembro, Mês Internacional da Cultura do Hip Hop.