A colecção exposta é fruto de um trabalho de digitalização que foi iniciado em 2011 pela Agência Cabo-verdiana de Notícias, Inforpress, em parceria com a Universidade Jean Piaget e que foi retomado em 2018.

A exposição tem como propósito dar a conhecer parte do espólio fotográfico da Inforpress como um testemunho de vida em Cabo Verde e também valorizar e mostrar a importância das imagens para uma Agência de Notícias, que a cada dia “ganha mais relevância” no novo cenário mediático, onde os utilizadores “não têm tempo” e uma “imagem vale mais do que mil palavras”.

Esta exposição, que conta com a parceria da Universidade Jean Piaget, foi realizada na Praia, em Dezembro de 2018, e em Julho de 2019 no Museu do Sal, no âmbito das comemorações do 30º aniversário da Agência de Notícias Cabo-verdiana (Inforpress).

Na altura, o reitor da Uni-Piaget e curador desta exposição, Wlodzimierz Szymaniak, explicou que essa exibição fotográfica, que mostra imagens que datam 1976, nasceu de uma casualidade e resulta da primeira leva de mil imagens, num universo de 19 mil reproduções, actualmente digitalizadas.

“As fotografias mais antigas desta exposição são as comemorações do primeiro ano de independência em Santo Antão. Penso que é uma exposição interessante para o público cabo-verdiano e não só, porque mostra a evolução do país através dos registos fotográficos”, considerou a mesma fonte, para quem a quantidade de imagens “dá para realizar outras exposições” e também “publicar um livro com esta temática”.

A visita de Nelson Mandela a Cabo Verde, recebido pelo presidente António Mascarenhas Monteiro e a visita do papa João Paulo II são algumas das imagens “marcantes” que constam da exposição.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.