Estes “paleios” são, segundo António Tavares avançou à Inforpress, conversas abertas, que passarão a fazer parte, quinzenalmente, da programação do centro até ao final do ano.

Desta feita dedicado às artes plásticas, esta palestra conseguiu, conforme a mesma fonte, reunir, “por coincidência do universo, grandes nomes do nosso continente africano”, sendo estes protagonistas koffi Doussou (Niger), Opoku Mensh (Gana), Bento Oliveira, João Fortes e Marcelino Santos, os três de Cabo Verde.

“São personagens, entidades diferentes e artistas plásticos com um universo de investigação bastante diverso, que pretendem divulgar a sua experiência”, explicou o responsável, adiantando uma outra temática subjacente de “regresso ao continente”, denominada “Rinoceronte Negro” , idealizada a partir do mês do Maio, na agenda do Centro Cultural do Mindelo.

Reflexões estas, que se apresentam, ajuntou, como uma analogia a este animal “extremamente inteligente e ao mesmo tempo feroz” e que só tem este comportamento por ser míope.

“Só seremos ferozes e brutos se não tivermos visão”, considerou António Tavares, para quem este servirá de mote para se abordar “diversos aspetos ligados ao continente em diferentes temáticas” a serem discutidas durante este ano de 2019.

“ Estes paleios são espaços abertos para estudo e discussão e convidamos a população a estar presente, para tais reflexões que acreditamos que devem ser feitas”, salientou.

Esta iniciativa, iniciada há duas semanas, abordando o teatro, pretende ser feita quinzenalmente, incidindo nas próximas edições, conforme o diretor do CCM, sobre temas como arte contemporânea, os circuitos criativos e a circulação dos produtos artísticos.

Também, di-lo António Tavares, já têm agendado o paleio sobre dia 05 de Julho, Dia da Independência Nacional, a que ainda prefere não levantar o véu, contudo, garantiu, será “muito especial”.