Valdano Furtado fez tais considerações à Inforpress, à margem da primeira edição do festival de batuque ‟Txabeta na mó”, realizado domingo no polivalente de João Teves, enquadrado nas atividades comemorativas do 14º aniversário do Município, que se assinala no dia 10 de agosto.

O festival, segundo este representante, contou com a participação de 15 grupos de batucadeiras locais e de outros municípios vizinhos, nomeadamente, São Domingos, Santa Cruz, São Salvador do Mundo, Santa Catarina e Tarrafal de Santiago.

A mesma fonte afirmou que foi um momento de ‟muita brincadeira e de intercâmbio cultural”, realçando que, pretendem continuar com esta iniciativa que fez erguer grupos do município que estavam ‟inativos”.

‟Conseguimos alcançar os nossos objetivos de despertar os grupos que existem no município para promover o género batuque e fazer com que estejam novamente nos palcos a divulgarem os seus trabalhos”, acrescentou.

Valdano Furtado adiantou ainda à Inforpress que têm em vista o projeto ‟Batuco na Pelourinho”, com a intenção de quinzenalmente levar três grupos de batuque para o terreiro do mercado municipal para ‟convívio e animação cultural”.

No entanto, afirmou que pretendem iniciar com o projeto após as festividades de comemoração do 14º aniversário do Município de São Lourenço dos Órgãos.

A mesma fonte sintetizou, pedindo as batucadeiras a não desistirem de levar a cultura de Cabo Verde, e pedindo mais abertura do pública na preservação do batuque que, segundo disse, ‟é o género que mais se identifica com o povo santiaguense”, pelo que pede para que não se deixe o batuque morrer.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.