Produtos indispensáveis para a confecção do almoço de Cinzas, uma tradição que está enraizada na ilha de Santiago, como peixe seco, couve, batata (doce e comum), mandioca, cenoura, xérem, mel, coco, cuscuz, feijão seco para “trutxida”, entre outros, vão estar à disposição da população da região Norte na “Feira de Cinzas”.

O evento arranca hoje, em Santa Catarina e São Miguel e termina no dia 26 de Fevereiro (Dia de Cinzas) com o “Almoço de Cinzas” a ser servido pelos restaurantes locais, com o preço único de mil escudos.

No município de Santa Catarina, a IV edição da Feira de Cinzas é uma organização conjunta da Associação Comercial, Agrícola, Industrial e de Serviços de Santiago (ACAISA) e da Câmara Municipal de Santa Catarina, com o patrocínio da CV Móvel e terá como palco a Zona Pedonal.

Com oito stands de restauração, quatro de artesanato e mais de uma dezena de feirantes de produtos locais e uma recheada agenda cultural e workshops, o evento inicia hoje e culmina na quarta-feira de Cinzas com o “Almoço de Cinzas”, tendo como espaço os restaurantes locais que vão servir pratos típico de Cinzas, com o preço único de mil escudos.

Segundo o município, tal como as edições anteriores, esta quarta edição “constituirá uma grande oportunidade de negócios para os produtores agrícolas e operadores da restauração, mas também permitirá a troca de experiências entre os feirantes, abrindo uma nova janela para a divulgação dos traços da Cultura de Santa Catarina, fazendo da cidade do planalto a melhor escolha de visitas nesta ocasião”.

Em São Lourenço dos Órgãos, o Mercado Municipal vai acolher nos dias 23 e 24 de Fevereiro, a XVIII edição da Feira de Cinzas, com a participação de feirantes locais e de outros municípios do interior de Santiago, onde vão poder expor e vender os seus produtos agrícolas, artesanais e agro-pecuário.

A edilidade laurentina assegura que na feira vai ser encontrada “produtos frescos”, aliás, informa que maioria é produzida no município.

No município de São Miguel, a autarquia promove mais uma edição da Feira de Cinzas com vários produtos agrícolas no largo do mercado de Calheta e culmina nas vésperas de Cinzas.

Já em Santa Cruz, a câmara municipal leva à localidade de Achada Fátima (Centro Comercial) mais uma edição da Feira de Cinzas de 24 a 25 de Fevereiro.

As iniciativas, que se inserem no programa das festas de Carnaval e Cinzas, os municípios vão servir, igualmente, como um espaço onde os feirantes vão poder expor/vender os seus produtos e pratos gastronómicos a condizer com o almoço da Quarta-feira de Cinzas.

Numa mesa “farta” predomina um prato à base de xérem, coco, feijão, em forma de “trutxida”, peixe seco, cozido entre outros e cuscuz com mel como sobremesa.

No dia de Cinzas, segundo os religiosos, a igreja recomenda não só a abstinência de carne como também jejum.

Entretanto, em Cabo Verde mormente no interior da ilha de Santiago, muitas pessoas se deixam levar pela tradição cultural e as residências são recheadas de pratos tradicionais.

Entretanto, a reportagem da Inforpress que esteve esta manhã no Mercado Municipal de Assomada constatou que, apesar de mais um ano de seca que assolou a região e todo o país, os ingredientes para a preparação do tradicional almoço de Cinzas não registaram grandes aumentos de preços em comparação com o período homólogo de 2019.

Conforme informaram as próprias vendedeiras, um quilo de couve está a ser vendido por 200 escudos, batata doce a 220/250 escudos quilo e batata comum por 100 escudos quilo, mandioca está à venda por 350 escudos, cenoura está a ser vendida a 80 escudos quilo (importado) e 100 (nacional), o coco varia entre 160 a 200 escudos por unidade, e os legumes a preços “equilibrados”, por exemplo, tomate a partir de 120 quilo e salsa a partir de 50 escudos por molho.

O preço de peixe seco, um dos principais ingredientes para o almoço de Cinzas que também veio de outras ilhas varia entre 600, 800 e 1000 escudos quilo dependendo do tipo de peixe.

No que tange ao mel para acompanhar o cuscuz, cujos comerciantes garantem que o produto é puro cana-de-açúcar e está a ser vendido 350/400 escudos litro, a farinha de trigo para confeccionar o cuscuz pode ser encontrado por 55 escudos quilo e de milho a 70, a farinha para o xérem a 80/100 escudos.

Para além da ilha de Santiago onde a população quer manter viva esta manifestação cultural, as Cinzas são também festejadas de forma assinalável nas ilhas do Maio, Fogo e Brava.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.