Segundo o jornal online, Canárias 7, a exposição, que conta com colaboração da Binter e Câmara Municipal do Maio, é feita através da distribuição de nove corações ao longo da Praia de Bitxe Rotxa.

Trata-se, conforme a mesma fonte, de figuras esquemáticas e notavelmente visíveis, mas com “grande capacidade evocativa”.

“Nasci na ilha de Fuerteventura, cuja paisagem se assemelha à da ilha do maio, em Cabo Verde, um lugar único que ainda preserva a essência da sua ilha e cultura marítima, a beleza natural das suas praias de areia branca virgem”, declarou o artista, justificando o porquê da escolha da ilha do Maio.

Com esta iniciativa, o artista pretende, por outro lado, consciencializar as pessoas sobre a “fragilidade da paisagem peculiar da ilha” e a importância da “beleza e essência natural” da sua paisagem.

“Maio e Fuerteventura são duas ilhas capazes de inspirar sentimentos de serenidade. Pois, poucos espaços estão disponíveis para oferecer esta sensação. É o imaginário visual da minha infância, que, através deste trabalho, tentei valorizar a própria ilha de maio, transferindo essa mensagem de amor pela terra”, explicou.

Durante a sua estadia em Cabo Verde, Luís Guardia promoveu conversas abertas e oficinas de pintura nalgumas escolas da ilha do Maio

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.