Segundo nota do Ministério da Cultura, o museu com maior afluência de visitas continua a ser o Museu da Resistência, Ex-Campo de Concentração do Tarrafal de Santiago, com 11.812, apesar de em relação ano passado ter tido menos 2.812 visitas.

O segundo mais visitado, prosseguiu, é o Museu Etnográfico na Praia, com 6.413 visitantes, mais 2113 do que o ano transacto. O terceiro mais visitado é o Museu do Mar, em São Vicente, contabilizou em 2019 3.169 visitantes, mais 740 do que no ano anterior, enquanto o quarto mais visitado foi o Norberto Tavares em Santa Catarina de Santiago, com 2.717 visitantes.

Depois, segue-se o Museu de Arqueologia na Praia, com 1.816 visitantes, o Museu da Tabanca em Santa Catarina de Santiago com 1.386 visitantes, o Museu do Sal que registou 1118 visitantes e o Núcleo Museológico de Cesária Évora, em São Vicente, com 833 visitantes.

Conforme a mesma fonte, o público predominante continua a ser os turistas estrangeiros com um total de 20.070 visitantes e os estudantes nacionais, em particular do ensino básico e secundário, com 5.344 visitantes.

“Os estrangeiros que mais visitaram os museus são idosos, provenientes do segmento do turismo do cruzeiro, cujos operadores se vêm conscientizando da importância e necessidade de proporcionar aos excursionistas um contacto com a história e cultura dos pontos de Cabo Verde”, lê-se no documento.

Em relação aos estudantes, ajuntou o MCIC, “as visitas enquadram-se nos planos curriculares das escolas, através do qual se procura consolidar o processo de ensino e aprendizagem, suportado nos recursos histórico-culturais e patrimoniais enquanto componente prática desse processo”.

Para este departamento governamental, o aumento das visitas nos museus de Cabo Verde deve-se ao “financiamento em cerca de 40 mil contos”, para a “reabilitação e readequação dos espaços museais”, o “melhoramento dos conteúdos museológicos e aquisição de equipamentos”, para além da “revisão da legislação do sector”, da aposta na “formação contínua dos quadros afectos aos museus”, das “parcerias com instituições locais” e no “estreitamento estratégico das relações com o sector do Turismo”.

Por isso, adiantou que para o ano de 2020, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, através do Instituto do Património Cultural (IPC), que tutela os museus, está a trabalhar nas acções de ampliação e modernização dos conteúdos e melhoria da acessibilidade e ainda no reforço dos mecanismos de comunicação e promoção dos museus visando o aumento do número de visitantes.

CD/CP

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.