O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, falava à Inforpress no final de uma visita realizada a algumas escolas da Cidade da Praia financiadas pelo programa Bolsa de Acesso à Cultura (BA-Cultura), para acompanhar ‘in loco’ o progresso dos trabalhos desenvolvidos, a condição dos espaços e anotar as necessidades que ainda existem.

Sobre estas visitas, disse o governante que a ideia foi ver como se está a consolidar nas comunidades a implementação do programa.

“Muito mais do que gostar é perceber que as comunidades abraçaram a iniciativa e as iniciativas estão a ter sucesso no sentido de as crianças estarem a apreender, as comunidades estão a abraçar, as famílias compreendem, entendem e abraçam o Bolsa de Acesso à Cultura como algo que as famílias devem acarinhar”, acrescentou.

Abraão Vicente esteve na escola de Dança Bob Lux, em Achadinha, na Associação Maracanã, em Ponta D’Água e na Associação Pelourinho, em Achada Grande Frente.

“São iniciativas diferentes, de acordo com as características da comunidade. Eu penso que o mais importante é que nós estamos a conseguir reunir alunos, tirá-los das ruas, convencer os familiares que os espaços de acesso à Bolsa da Cultura são espaços seguros onde há pedagogia”, afirmou.

O ministro relembrou ainda que 70 escolas neste momento, a nível nacional são apoiadas pela BA-Cultura.

“Todas as ilhas têm, no mínimo, duas iniciativas de Bolsa de Acesso à Cultura”, frisou Abraão Vicente, completando que o objectivo é, no decorrer da negociação do Orçamento de Estado de 2020, conseguir um aumento de fundo para aumentar o número de alunos beneficiados.

O Programa Bolsa de Acesso à Cultura foi pensado e implementado com o objectivo de dar acesso e massificar o ensino das artes em Cabo Verde.

A missão do programa, continuou, é garantir que a população com menos recursos não fique excluída da “fruição da arte” e também dar sustentabilidade às pequenas iniciativas das escolas de ensino artístico, financiando as propinas dos alunos que são de famílias com baixo poder económico, para a frequência de aulas, ateliês e workshops de pintura, dança, música, teatro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.