“Nós acabámos de começar a nossa presidência, e é mais um ponto em que é preciso que todos os países tenham consciência”, disse Abraão Vicente à Lusa, à margem da II Gala “Cabo Verde Sucesso”, no sábado à noite, acrescentando que “sem que os países da CPLP contribuam mais uma vez financeiramente para que a agenda de Cabo Verde e a agenda da CPLP nestes dois anos se concretize, também não haverá grandes avanços”.

Abraão Vicente lembrou que os constrangimentos financeiros têm dificultado o desenvolvimento de vários projetos, entre os quais o mercado comum de arte e cultura no espaço da CPLP, organização que Cabo Verde preside desde julho.

“Nós já fizemos as declarações simbólicas todas no encontro do Sal. Neste momento é preciso que todos os países tomem consciência que para concretizar e dar passos é preciso ter um engajamento contínuo e ter uma equipa executiva que compreenda as metas políticas traçadas durante a cimeira”, disse.

“Todos os projetos concretos implicam recursos financeiros”, sublinhou o ministro.

Para alcançar os objetivos do projeto, que pretende a facilitação da circulação dos agentes culturais entre os países, o ministro acredita que a abordagem deve passar pela concertação de um projeto comum com outros responsáveis executivos.

Presentes na segunda edição da gala “Cabo Verde Sucesso”, que se realizou no Convento do Beato, em Lisboa, estiveram os presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, e o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva.

Em declarações à imprensa, os dirigentes salientaram a importância do evento.

“Esta partilha com um povo irmão e com o Estado irmão de Cabo Verde, partilha de uma homenagem à diáspora cabo-verdiana na Europa, é um momento bonito porque são dois irmãos que se reencontram aqui e que recebem irmãos que vêm de toda a Europa”, disse Marcelo Rebelo de Sousa à imprensa.

“São eventos que, simbolicamente, assinalam o papel das nossas comunidades no exterior para a afirmação crescente de Cabo Verde”, assinalou Jorge Carlos Fonseca.

A cerimónia homenageia 15 personalidades da diáspora cabo-verdiana que se destacaram nas suas comunidades, distribuídas por cinco categorias (Desporto, Ciência e Tecnologia, Empreendedorismo, Cidadania e Educação e Cultura).

A primeira edição da gala “Cabo Verde Sucesso” decorreu em 2017, nos Estados Unidos da América.