De acordo com um comunicado enviado à Inforpress, o edital nº1 de 2017 foi lançado no dia 06 de setembro e terminou no dia 31 de outubro do ano passado, tendo o MCIC recebido 118 candidaturas, mas apenas foram seleccionados 13 projetos, sendo seis na área do teatro, quatro no campo da música, um na área de artes plásticas, artes visuais e fotografia, outra no sector do artesanato e mais um ligado à música e à dança.

As 13 atividades contempladas foram a VI edição do Grito Rock, a realização de uma Bienal de Arte Urbana / VHILS em Cabo Verde, Festival Nacional de Teatro Sal EnCena 2018, realizada pela Associação Cultural e Teatral Djad’sal, na ilha do Sal, Mindel Summer Jazz 2018, no Mindelo, festival de teatro SANTEART III, realizado pela Companhia De Teatro Flado Fladu Fla, na Cidade da Praia, e o festival Mindelact 2018, realizado pela Associação Artística e Cultural do Mindelact, no Mindelo.

“O Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas entende que todos os projectos recebidos são importantes e relevantes para a promoção cultural do país, dinamizando a cultura local e criando assim oportunidades de formação e emprego neste sector”, lê-se no comunicado.

Esta é a segunda vez que o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas financia projetos culturais através do lançamento de um edital.

Este ano, para a seleção dos beneficiados, o ministério explicou que se deu primazia aos projectos dos proponentes colectivos face aos projectos individuais, programas com retorno positivo e relevante a sociedade cabo-verdiana, bem como os projectos que têm um impacto a nível nacional e com efeito multiplicador.

Acrescenta ainda que foram igualmente priorizados os projetos que propõem a descentralização e a democratização cultural a nível nacional e que os projetos que estão a ser financiados noutros programas vigentes do MCIC não foram selecionados, porque o MCIC tem como política a não duplicação de apoios e incentivos atribuídos.

A criação do edital de financiamento para projetos está enquadrada no Programa do Governo para a IX Legislatura e, segundo o titular da pasta da Cultura, foi desenhado especificamente para abarcar sectores e categorias que não foram contemplados nas demais acções.