A informação foi dada à Inforpress pelo coreógrafo do grupo Raiz di Polon, que na próxima semana viaja para a capital da região da Andaluzia, no sul da Espanha, a convite da Câmara Municipal da Praia, numa parceria com o Centro Internacional de Investigação Teatral, que promove esta iniciativa.

“Mundo Magallanes – Elcano” é um projecto do Centro Internacional de Investigação Teatral de Sevilha que nasceu por ocasião das comemorações do V Centenário da Circum-Navegação de Magallanes e assenta em pesquisa teatral e teatro comunitário.

Segundo informações divulgadas na página da organização, nesta celebração, que acontece nos dias 02 e 03 de Outubro, pretende-se envolver todos os países que possuem cidades de Magalhães para que, tanto através dos profissionais das artes performativas como dos seus cidadãos, tenham uma presença num projecto global.

Durante estes dias será apresentado um “grande espectáculo de teatro comunitário”, que integrará as diferentes peças montadas com todos os grupos participantes, bem como os professores e assistentes, no Parque Fernando Magallanes.

“A principal característica do Mundo Magallanes-Elcano é a interacção artística entre grupos de cidadãos dos quatro continentes pelos quais a expedição percorreu (na Oceânia eram algumas pequenas ilhas que serviriam de escala para a circunavegação), realizando todas elas expressões culturais e artísticas de terras muito remotas”, lê-se na descrição do evento.

Cabo Verde também fez parte dos países que Fernando Magalhães passou durante a sua de viagem de circum-navegação ao globo de 1519 a 1522.

Por este motivo, o arquipélago estará presente nesta celebração em Sevilha, levando um dos mais antigos ritmos tradicionais cabo-verdiano, a tabanca.

Em conversa com à Inforpress, o bailarino e coreógrafo Manu Preto, que há mais de seis meses não pisa um palco, devido às restrições estipuladas pelo Governo para evitar a propagação da pandemia da covid-19, disse que este regresso num dos palcos internacionais é uma “grande responsabilidade”.

Isto porque, é um evento mundial e com participação de “grandes mestres” da dança, música e teatro e conhecedores profundo das suas culturas.

“Vai ser com muita emoção dado que irá ser num grande evento de escala mundial e ainda com mais sabor após todo este período de confinamento. Sinto-me preparado e motivado para representar Cabo Verde, como o tenho feito nestes 30 anos, com a melhor qualidade possível”, assegurou.

Manu Preto parte sozinho de Cabo Verde, mas ao chegar a Sevilha terá a espera um grupo de pelos menos 20 pessoas que irão o acompanhar durante este desfile de tabanca, denominado de “buska santu” (em busca do santo), que consiste em uma procissão, que começa na porta de uma igreja ou capela e percorrerá as ruas da cidade.

Esses dançarinos já estão a ensaiar as coreografias, mas depois da chegada de Manu Preto terão uma semana para assimilar os passos ao ritmo tradicional cabo-verdiano.

“A minha participação consistirá em ensaiar um grupo de actores, músicos e bailarinos para uma encenação no género tabanca que fará parte do cortejo dos dias 2 e 3 de Outubro, na encenação da viagem de Fernão de Magalhães à volta do mundo”, precisou, ajuntado que todos os elementos da tabanca, como rei da tabanca, a rainha, o sacerdote, os cativos, os transatlânticos, o médico, o ladrão, o louco, estarão bem representados.

Num momento em que a covid-19 ainda assola o mundo, a organização garante que serão tomadas todas as medidas de distanciamento social, uso de máscara, lavagem de mãos e medição de temperatura durante este desfile.

Estas sessões, segundo a organização, serão transmitidas em ‘streaming’ com o objectivo de garantir que as cidades de origem dos parceiros possam acompanhar ao vivo as referidas sessões, criando assim um histórico encontro de representantes do teatro comunitário.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.