A apresentação da obra, que terá lugar logo à tarde no Salão Nobre dos Paços do Concelho, vai estar a cargo do combatente da liberdade Olívio Pires, Luís Fonseca, e do poeta Francisco Tomar.

A atividade integra-se na programação da Fundação Amílcar Cabral (FAC), que escolheu a ilha do Sal para este ano acolher o ato central das celebrações do Dia dos Heróis, assinalado a 20 de janeiro.

O poeta Francisco Tomar, também conhecido por Chico Tomar ou Sukre d’Sal, seu pseudónimo, co-apresentador da obra literária, explicou em declarações à Inforpress que “A Luta Criou Raízes” é uma coletânea de intervenções, entrevistas, reflexões e artigos de Amílcar Cabral, produzidos entre 1964 e 1973.

Trata-se de um livro de 355 páginas, dividido em quatro momentos, sendo a primeira parte, uma reflexão interna, virada “completamente” para a formação militar de quadros do partido, e a segunda fala da atividade de Amílcar Cabral, enquanto secretário-geral do partido, na altura.

A terceira parte do livro refere-se a textos produzidos e destinados à imprensa estrangeira, e o quarto e último momento é dedicado à intervenção de Amílcar Cabral na cena internacional, desde fóruns, congressos, entre outros destaques ao longo de todo o seu percurso de vida, no quadro da organização partidária.

Chico Tomar avançou que na sua apresentação irá tecer algumas considerações sobre esses conteúdos.

O título “A Luta Criou Raízes” foi tirado de uma das intervenções de Amílcar Cabral, uma obra que, segundo Chico Tomar, ostenta uma linguagem “extremamente fácil”, que permite a leitura de “qualquer pessoa” interessada por esse tipo de informação e reflexão.

A cerimónia de apresentação desse legado de Amílcar Cabral, organizada por Luís Fonseca e Olívio Pires, contará com a presença do comandante Pedro Pires, presidente da Fundação Amílcar Cabral, a editora do livro, e do presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.