O número de trabalhos submetidos a concurso no âmbito da 4ª edição do Prémio Nacional de Publicidade, PNP, sofreu um aumento significativo face aos anos anteriores. A informação é adiantada pela a organização do evento, a EME-MARKETING Eventos, durante uma conferência de imprensa que teve lugar hoje, dia 17, na cidade da Praia.

No total, são 41 trabalhos que foram apresentados a concurso em diferentes categorias. Este aumento significativo face às edições anteriores foi exaltado pela representante da organização do evento, Maria Martins.

“Este ano tivemos 41 trabalhos inscritos e isto significa um aumento de 71% dos trabalhos em que a submissão dos mesmos foi feita através dos meios alternativos de comunicação. Em todas as categorias do prémio tivemos um crescimento significativo face aos anos anteriores e uma maior competitividade”, disse a representante.

Entre as peças concorrentes, 1 trabalho foi submetido na categoria de Branding, 9 em Branding Activation, 9 na categoria de Rádio, 4 para Internet, 1 na categoria de print, 4 para Campanha Integrada, 10 na categoria de Televisão e 3 na categoria de Televisão para os universitários.

O presidente do Júri da IV edição do PNP, Aristides Lopes da Silva, parabenizou a organização do evento pela inovação e metodologia de avaliação dos trabalhos.

“Houve uma evolução significativa em relação à quantidade dos trabalhos submetidos comparando com as edições anteriores, e para esta edição o valor aumentou em termos de número dos trabalhos inscritos nas categorias do PNP”, regozija o presidente.

A nível da qualidade dos trabalhos, o presidente diz que há ainda algum trabalho por fazer e diz que é preciso “primar pela qualidade e criatividade, porque o objetivo do premio é validar e reconhecer a qualidade e a criatividade nacional”.

“A ideia de analisar, avaliar e interpretar os trabalhos através da plataforma facilitou significativamente”, acrescenta Aristides Silva. Contudo o presidente do Júri faz uma chamada de atenção para as dificuldades encontradas na plataforma da avaliação.

“Houve um pequeno problema no processamento de dados, porque os ficheiros são extremamente pesados, e por isso deixo o apelo técnico a todos que submetem os trabalhos a concurso e sendo pessoas da área multimédia, devem fazer a compressão de dados antes de fazer a submissão dos trabalhos”.

Samira-Vera Cruz, um dos membros que compõem o corpo de jurados do PNP, também parabenizou a organização pela iniciativa de dar créditos aos trabalhos publicitários nacionais.

“Estamos contentes com o número de trabalhos apresentados e com a qualidade dos trabalhos, mas ainda há passos a dar e, trazer outros formatos (que não apenas o europeu e o brasileiro)”.

Em relação aos trabalhos apresentados pelos estudantes universitários, a realizadora e produtora Samira Vera-Cruz reconhece alguns trabalhos de qualidade, mas diz que os mesmos devem melhorar.

“Deve-se pensar mais nas questões sociais e ouvir o público, porque há muitos trabalhos que primam muito pela qualidade técnica e pecam no sentido de quem é o nosso público-alvo e vice-versa”.

A gala do PNP que, segundo Maria Martins, visa premiar os melhores trabalhos e conteúdos produzidos e comprovadamente divulgados em publicidade a nível nacional, estava previsto para acontecer no dia 20 de março, mas foi adiada devido ao plano de contingência nacional face à pandemia do Covid-19.

A organização refere que a próxima data do evento será anunciada brevemente.

Edna da Veiga/Estagiária

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.