Durante a digressão, o grupo atuou em vários palcos desses dois países, o último dos quais em Zuidplain, Roterdão (Holanda), onde, segundo Jorge Martins, Juventude em Marcha atuou perante “uma moldura humana bastante entusiástica”, que “se emocionou” com a exibição do filme Canjana.

Em França, o grupo realizou dois espetáculos em Amne Villa e Paris, segundo Jorge Martins, que informou que essa digressão enquadrou-se nas comemorações dos 35 anos de Juventude em Marcha, um percurso marcado pela realização de 36 peças de teatro e seis produções audiovisuais.

Juventude em Marcha tem já agendado, para setembro, uma nova digressão, desta feita aos Estados Unidos da América, para o lançamento da longa metragem Canjana, obra que retrata a fome da década de 40, na ilha de Santo Antão.

Este grupo teatral, ao longo dos 35 anos, tem trabalhado na afirmação do teatro cabo-verdiano na arena nacional e internacional, segundo Jorge Martins.