Em nota enviada hoje à Inforpress, a direção da ACL regozijou-se pelo facto do escritor cabo-verdiano, residente em Portugal, ter vencido o prémio Vasco Graça Moura, da Imprensa Nacional – Casa da Moeda, pelo seu trabalho “Instruções para Uso Posterior ao Naufrágio”.

“A Academia Cabo-verdiana de Letras, regozijando, vem, por esta via saudar e felicitar o laureado por tão importante distinção, aliás, mais uma no seu percurso”, disse, assegurando que tal prémio, prestigia e dignifica a literatura cabo-verdiana que recebe “mais uma pedra na sua edificação e valorização”.

Tal distinção, precisou, vai contribuir para a projecção de Cabo Verde, também no domínio cultural e literário, na cena internacional, e, em particular, no espaço lusófono, tendo em conta a sua importância, enquanto forma de preservação do património da língua portuguesa.

José Luiz Tavares, que é membro da academia, vai receber um prémio pecuniário de cinco mil euros (cerca de 500 contos) e a obra vencedora será publicada na colecção “Plural” da Imprensa Nacional, em 2019.

Criado pela INCM, o galardão INCM/Vasco Graça Moura visa a promoção e “preservação do património da Língua e da Cultura portuguesas e, simultaneamente, homenageando a figura incontornável e exemplar de Vasco Graça Moura enquanto cidadão, intelectual e antigo administrador da empresa responsável pelo pelouro editorial”.

O galardão terá uma periodicidade anual e tem por objectivo, ainda, distinguir, rotativamente, trabalhos inéditos nas áreas de actuação onde Vasco Graça Moura se destacou, nomeadamente, na Poesia, no Ensaio (no domínio das Humanidades) e na Tradução (obras no domínio público).