Em declarações à Inforpress, Martinho de Brito adiantou que essas e outras questões vão estar em debate este sábado, 09, no encontro de reflexão sobre o “Papel do Arquivo Nacional de Cabo Verde na Era Digital e da Globalização” que acontece no âmbito do Dia Internacional dos Arquivos que se assinala a 09 de junho e do 30º aniversário da instituição celebrado a 31 de dezembro deste ano.

Conforme realçou, perante os novos desafios, e atendendo à falta de recursos e à diminuição do orçamento, o Arquivo Nacional de Cabo Verde é forçado a encontrar formas e novas medidas que lhe permitam ser uma instituição “sustentável”.

“E para atingir a sustentabilidade temos de organizar o nosso arquivo em termos de espaço físico, mas também ao nível da digitalização e divulgação dos documentos com maior segurança e que corresponda às demandas da instituição”, explicou o conservador dando garantias de que o plano estratégico vai ter como foco a digitalização, disseminação e publicação dos documentos.

Entretanto, sublinhou que é preciso apostar também em parcerias com base em troca de serviços entre instituições, tendo revelado que a nível da justiça, os serviços da ANCV têm sido solicitados para esclarecer situações judiciais.

“Queremos criar as condições digitais para que os investigadores, professores, alunos e não só possam ter acesso aos documentos digitalizados”, avançou o conservador, defendendo, no entanto, a necessidade de se recrutar e renovar novos quadros a nível de historiadores e arquivistas.

Segundo o responsável, o encontro vai analisar e discutir o percurso e o actual contexto do Arquivo Nacional de Cabo Verde, a transversalidade a nível das áreas científicas, factores que são determinantes para a produção do conhecimento e compreensão da memória histórica, disse.

Referente ao tema “Arquivos: Governança, Memória e Herança”, vão estar sobre a mesa questões ligadas ao “Arquivo Nacional de Cabo Verde na era da digitalização e da globalização”, “Que arquivos, recolher hoje e transmitir amanhã às gerações futuras”, e “Pensar o Arquivo: o percurso do ANCV há 30 anos”.

O Dia Internacional dos Arquivos foi instituído em 1948 pela assembleia geral do Conselho Internacional dos Arquivos e visa proporcionar condições para que se desenvolvam acções de promoção e divulgação da causa dos arquivos em todo o mundo.

A cerimónia de encerramento será presidida pelo ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abrão Vicente.