O novo comité Nobel passará a incluir - além dos académicos Per Wästberg, Horace Engdahl, Kristina Lugn, Anders Olsson e Jesper Svenbro - os escritores Kristoffer Leandoer e Gun-Britt Sundström, e os três críticos literários Mikaela Blomqvist, Henrik Petersen e Rebecka Ahlberg Kärde.

A medida foi tomada de forma consensual pela Fundação Nobel, que já havia sugerido há alguns meses a criação de um novo comité para a atribuição do Nobel da Literatura, prémio que este ano foi adiado para 2019, por causa do escândalo que abalou a instituição.

A Academia Sueca decidiu em maio este adiamento, algo que não ocorria desde há sete décadas, pela perda de “confiança” do mundo exterior na instituição e pelo seu próprio “enfraquecimento”, após a saída, até àquela data, de oito dos seus dezoito membros.

"Que a Fundação encare positivamente esta aposta, significa que podemos continuar a trabalhar em paz antes do próximo prémio. Isso dá-nos segurança. Avançámos mais um passo na reconstrução, disse hoje o secretário interino da Academia, Anders Olsson.

Olsson especificou que esta é uma medida “temporária”, até 2020, ano em que serão entregues três prémios, um deles correspondente a 2018.

A Academia atravessa uma situação crítica desde há um ano, quando um jornal sueco publicou as denuncias por abuso de 18 mulheres contra o artista francês Jean-Claude Arnault, ligado à instituição através da sua mulher, - a poeta Katarina Frostenson - e do seu clube literário.

Uma auditoria concluiu que não influenciou decisões sobre prémios e subsídios, embora o apoio económico recebido pelo seu clube viole as regras de imparcialidade, já que a sua mulher, membro da academia, era coproprietária.

Pressionada pela Fundação, a Academia mudou os estatutos para permitir a renúncia real dos seus membros e a eleição de novos, e recorreu a um grupo externo de especialistas em direito, resolução de conflitos, organização e comunicação.

Cinco membros da Academia renunciaram formalmente desde o ano passado e três saíram temporariamente, incluindo os dois últimos secretários, Sara Danius e Peter Englund.

Entretanto foram eleitos, como novos académicos o professor Mats Malm, o jurista Eric Runesson e a escritora Jila Mossaed.

Fica por resolver a situação de Katarina Frostenson, que se recusou a renunciar voluntariamente, conforme solicitado pela instituição, o que levou à abertura de uma investigação sobre uma possível violação dos estatutos da Academia.

Arnault foi condenado, no mês passado, a dois anos de prisão por um caso de violação cometido em 2011 contra uma mulher e, apesar de ter recorrido da sentença, permanece em prisão preventiva por ordem do tribunal.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.