Este protocolo, que foi ontem, 29, oficializado, no Centro Cultural do Mindelo, já existia de “forma amigável” há algum tempo, mas agora, conforme o diretor do Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD), Irlando Ferreira, da organização da URDI, vai permitir que o artesanato “seja mais forte” e “cada vez mais” um pilar de desenvolvimento da ilha e do país.

“Se os fazedores e as instituições estiverem juntos certamente se conseguirá catapultar e fazer Cabo Verde cada vez mais consistente”, sentenciou o responsável, almejando que a parceria, que entre outras vertentes concederá à feira um apoio de 1.500 contos, dure por vários anos.

“Como se sabe, o artesanato tem um papel fundamental na questão da promoção das comunidades e criação de postos de trabalho, principalmente nas comunidades mais rurais. E é esse o nosso papel, de fomentar aquilo que já acontece naturalmente”, reiterou.

Da parte da câmara, que esteve representada pelo edil, Augusto Neves, assegurou que será sempre uma “amiga” da sua cultura, e que dá “todo o apoio e incentivo para que São Vicente torne-se cada vez a capital da cultura.

Com este propósito, que segundo a mesma fonte, que todos os anos a URDI faz parte do orçamento municipal, assim como outros eventos culturais que acontecem na cidade do Mindelo.

“O artesanato que produzimos faz parte da nossa cultura, identidade e da nossa história e enquanto presidente e minha equipa teremos um cuidado especial para tudo fazer para preservar essa que é a nossa grande raiz”, garantiu Augusto Neves, enfatizando a participação de artesãos nacionais, mas também de países convidados, que contribuem para consolidar este objectivo de “transformar a ilha num grande polo turístico” com base nos “grandes eventos” culturais.

Entre as responsabilidades do CNAD, explícitos no protocolo, estão a de garantir a realização da URDI e promover a ilha, garantir à câmara municipal a possibilidade de promoção e divulgação de actividades culturais, promover Mindelo enquanto “cidade cultural e criativa” entre outras.

Do lado da edilidade, esta disponibilizará, entre outros pormenores, uma quantia de 1.500 contos para colaborar nos custos da feira, garantirá o alojamento dos artesãos no Centro de Estágio e disponibilizará a Praça Nova, que recebe a mostra artesanal, e outros instrumentos.

A feira de artesanato e design, que decorre na cidade do Mindelo até este domingo, 02, com várias atvidades culturais e não só, está orçada em 5.000 contos.