Em entrevista à Inforpress, Francisco Tavares salientou que isto é a “concretização” de mais um compromisso assumido pela autarquia, Ministério das Infra-estruturas e Ministério da Cultura, através do Instituto do Património Cultural – IPC.

Os trabalhos estão a ser a ser realizados no quadro do Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidade (PRRA), Eixo IV, destinado à reabilitação e preservação do património.

Após a reabilitação da parte física, onde estão a ser feitas melhorias e acabamentos necessários, prosseguir-se-á com a musealização do espaço.

O orçamento para esta parte física ronda os 1500 contos, mas Francisco Tavares adiantou que a parte da musealização custará aos cofres do Estado um valor mais elevado, à volta dos quatro mil e quinhentos contos.

O edil diz-se esperançoso que para as festas do município, que se celebram a 24 de Junho, estas intervenções físicas estejam concluídas e iniciado o processo de musealização que é uma obra que “dignifica” a pessoa daquele que é o “poeta maior”, Eugénio Tavares.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.