Para este dirigente, o festival SSSL “não é rico economicamente, mas é rico em cultura” e trocas de experiências diferentes, com “muita gente e um povo de artistas”, e outras entidades que estão a “remar na mesma direção”.

Segundo Abbondanza, o SSSL trouxe para uma “dinâmica interessante” durante estes 20 anos, “mostrando” como realizar o intercâmbio a nível internacional, na medida em que são convidados “músicos e artistas de renome” para estarem em Cabo Verde, e também são convidados artistas cabo-verdianos para atuações no estrangeiro.

Esta é uma dinâmica que tem se desenvolvido bem, notou a mesma fonte, como são “bem acolhidos”, com esta filosofia de “igual dignidade das culturas, de respeito e de querer aprender com a beleza da diversidade cultural cabo-verdiana”.

“Esta dinâmica que foi construída durante estes 20 anos é extremamente rica e tem beneficiado a população cabo-verdiana, mas também tem favorecido as mais de 30 cidades no Sul da Europa e no Mediterrâneo onde se realiza o festival”, salientou Abbondanza.

Após “três anos de trabalho” no projeto e no centrum na ilha Brava, o mesmo será inaugurado mais tarde pelo Presidente da República.

O centrum já acolheu exposições internacionais, tem uma banda residente que já realizou digressões internacionais, e que brevemente irá actuar no âmbito do Festival SSSL na ilha de Reunião.

Factos, segundo Abbondanza, que são “motivo de orgulho” e que motiva os organizadores a fazerem “sempre melhor”.

Sobre a visita dos bloggers no mês de Setembro, Abbondanza garantiu que o trabalho já começou a dar os seus primeiros frutos, poi, foram bloggers de “renome internacional”.

As atividades de inauguração do Centrum Sete Sóis Sete Luas iniciaram-se segunda-feira, 29, com um concerto do grupo Korrontzi, de Espanha, e terá o seu auge hoje com o ato de inauguração, espetáculo de bicicleta acrobática e apresentação de curtas-metragens.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.