A imponência do Vulcão do Fogo, a Sé da Cidade Velha, na Ilha de Santiago, e o emblemático “Buracona”, na Ilha do Sal, destacam nesta mostra que vai estar aberta ao público durante 15 dias.

Na abertura da exposição, o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, disse que se trata de uma mostra de um artista plástico, um “homem do mundo”, que, através dos seus quadros, dá estampa às maravilhas de Cabo Verde, principalmente o Vulcão do Fogo, que é retratado em três quadros.

“A partir da ilha do Fogo ele conta a história de Cabo Verde com Cidade Velha e os seus monumentos, ligando a arte às pessoas com a agricultura do vinho”, interpretou Jorge Santos, ressaltando o nacionalismo do artista, que segundo ele, tem uma dimensão mundial.

Isto porque, conforme justificou Jorge Santos, o artista já expôs tanto em Cabo Verde como em diversas cidades dos Estados Unidos, pais onde reside há muitos anos.

Por sua vez, o empresário Brás de Andrade, em representação do artista, disse que foi um “privilégio” organizar essa exposição por se tratar de um artista que “merece muita atenção, pela dimensão das suas obras”.

José Pereira conta no seu currículo várias exposições em Cabo Verde (Santiago, Fogo, Boa Vista e São Vicente) e nos Estados Unidos (Boston, Brockton e Orlando), com presença em espaços múltiplos como a Presidência da República, embaixadas, instituições públicas e privadas.

Por isso, Djudjé, como é conhecido, tornou-se parte fundamental nos últimos anos das tradicionais Festas da Bandeira de São Filipe, na ilha do Fogo, expondo anualmente na Casa Bandeira.

OM/CP