Segundo uma nota da Livraria Pedro Cardoso, que detém a chancela da obra, o livro tem como um dos propósitos compreender os contornos que envolvem o ritual de “apanha de espírito”, no seu sentido simbólico, no quadro dos rituais mortuários e no universo sociocultural santiaguense.

O livro pretende “contribuir para a identificação, catalogação, conhecimento, promoção e valorização dos aspectos basilares das crenças ligadas às práticas funerárias e aos seus reflexos na vida familiar e à quotidianidade dos actores rituais santiaguenses,” lê-se no documento.

Com este ensaio, pretende-se ainda “alumiar” a importância da história oral, evidenciar as tradições e resgatar os valores e as manifestações culturais, transmitidas oral ou gestualmente, de geração em geração, a fim de contribuir para a promoção da memória colectiva e preservação dos traços identitários.

Arlindo Mendes é licenciado em História pelo Instituto Superior de Educação (ISE) de Cabo Verde, mestre em Estudos Africanos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) e doutor em Antropologia /Etnologia pela Universidade de Pau et Pays de l`Adour (França).

Foi professor de Antropologia na Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) onde coordenou “vários projectos de investigação”.

Foi ainda presidente do Conselho Pedagógico e presidente do Departamento de Ciências Sociais e Humanas daquela universidade.

O autor tem ainda vários artigos ligados à morte na ilha de Santiago, como “Rituels Funéraires à Santiago aux îles du Cap-Vert (Rituais funerários em Santiago, ilha de Cabo Verde)” e “Viver a morte em Santiago: Uma abordagem etnográfica”, entre outros.