Uma disputa desenfreada entre Samba Jó, Vindos d’África e Maravilhas do Infinito, três dos grupos oficias do Carnaval da Praia, não passou despercebida ao público. A entrega dos prémios aos vencedores da edição 2020 do Carnaval da Praia aconteceu na Avenida Cidade Lisboa, no final desta quarta-feira, 26, dia de Cinzas em que se celebra também o primeiro dia do Quaresma.

Com um público vibrante e firme a apoiar os seus grupos de Carnaval favoritos, deu-se o pontapé de saída para a entrega dos prémios do Carnaval da Praia 2020 que era previsto arrancar pelas 18h00 que só começou depois das 19h00 devido a atrasos de alguns dos seis grupos oficiais.

Entretanto, apesar de seis grupos terem desfilado no dia anterior, no momento de consagração dos vencedores estavam presentes os representantes de cinco dos grupos oficias, faltando o grupo Deusa do Amor de Achada Santo António.

O anúncio dos vencedores que começou pela distribuição dos prémios individuais foi recebido com muita euforia tanto dos apoiantes como dos grupos.

Prémios concentrados entre três grupos

O grupo do Palmarejo, Samba Jó que no ano anterior ficou no terceiro lugar, este ano levou para casa o prémio de Melhor Música com tema “Mãe África” interpretado por Constantino Cardoso que retrata o continente africano. Samba Jó arrebatou ainda os prémios de Rainha de Bateria, Rei e de Melhor Carro Alegórico.

Já o prémio de Mestre Sala foi para o grupo de Achada Grande Frente, Maravilhas do Infinito.

Seguiu-se o prémio de Melhor Bateria que foi recebido com muita emoção, posteriormente o de Rainha e Porta-Bandeira para o Vindos d’África que foi pentacampeão do Carnaval 2019.

A nível da classificação geral, o Maravilhas do Infinito este ano desceu para o terceiro lugar depois de na edição de 2019 ter conseguido o segundo lugar. Já o Samba Jó subiu para o segundo lugar no pódio, resultado que para o líder do grupo, João Elias Teixeira “Jó”, não foi satisfatório,

Seguiu-se o anúncio do vencedor do Carnaval da Praia 2020 em que o Vindos d’Africa sagrou-se hexacampeão, facto que foi contestado pelo Samba Jó e Maravilhas do Infinito, mas que o presidente do grupo, José Gomes, diz ser resultado ‘de um trabalho de muito esforço’.

“É fruto de um trabalho de todos nós e uma satisfação, porque foram muitos dias de perda de sono e de muito trabalho e que hoje é possível vermos o resultado. Esta vitória é fruto do nosso trabalho e estamos a provar ano após ano”.

Para o presidente do grupo os outros grupos têm de trabalhar mais e salienta que estão num bom caminho. “Acho que estamos a elevar cada vez mais o Carnaval da Praia e para isso devemos continuar a trabalhar com dinâmica, proporcionando condições para que a Praia tenha um Carnaval de alto nível e para  que as pessoas tenham uma outra visão da festa do Rei Momo na capital”.

O grupo Vindos d’África que venceu o Carnaval da Praia pela sexta vez diz que o objetivo é continuar a trabalhar para o melhor. “É isto a nossa promessa para o próximo ano”.

Questionado sobre prémios que o grupo Samba Jó arrecadou, José Gomes salienta que “Jó” foi um elemento do Vindos d’África e que conhece bem o carnaval do grupo. “Nós somos um grupo muito empenhado”.

Segundo o líder e fundador do grupo do Palmarejo, João Elias Teixeira “Jó”, os prémios não foram bem atribuídos. “A minha expetativa era outra e tinha a certeza de que íamos ser vencedores do Carnaval, mas infelizmente, a decisão compete aos jurados. Acho que deveriam avaliar melhor os grupos”.

Jó salienta que o objetivo é continuar a trabalhar para o próximo ano. “É pensar no Carnaval do próximo ano e não lamentar. Vou continuar a trabalhar com força e vontade para sair na Avenida, porque é algo que gosto de fazer”.

Por sua vez, o presidente do grupo Maravilhas do Infinito, Anilton ‘Anita’ Borges, mostrou-se descontente com a atribuição dos prémios. “O nosso grupo foi o mais vibrante no dia do desfile, não percebo esta atribuição dos prémios”.

Apesar de ter ficado em terceiro lugar, o grupo almejava arrecadar mais prémios individuais não somente o de Mestre sala. “O prémio de Rainha do Carnaval 2020 era nosso e o de Porta-Bandeira também”, acrescenta.

“Anita” realça ainda que os jurados devem rever os critérios de avaliação no que diz respeito às rainhas e reis alegando que não foram bem atribuídos.

“Os Reis e as Rainhas devem ser analisados bem e isso depois dos desfiles terminarem, tirando-os dos andores e analisa-los de melhor forma”, deixa o repto o presidente do Maravilhas do Infinito.

Outro apelo deixado pelo grupo Maravilhas do Infinito é que a Câmara Municipal da Praia reveja a questão da organização dos grupos a tempo e horas. “O tempo também é uma das limitações e a CMP tem de chamar os grupos com antecedência para se organizarem e prepararem melhor, porque fazer o esforço e chegar na Avenida e ficar em terceiro lugar não é nada agradável”, assegura.

Uma outra preocupação do Maravilhas do Infinito é que seja criada uma Liga sólida para que se alavanque o Carnaval da Praia.

É de realçar que o grupo Bloco Afro Abel Djassi que no ano passado (2019) arrebatou três dos prémios individuais este ano não ganhou nenhum troféu. Ainda o grupo Vindos do Mar que esteve com poucos representantes no momento da atribuição dos prémios, também não conseguiu troféus.

Dos setes grupos oficiais do Carnaval da Praia, no desfile do dia 25 de fevereiro na Avenida Cidade Lisboa esteve somente seis devido à desistência do Estrelas da Marinha que também não desfilou no ano passado.

Edna da Veiga/Estagiária

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.