Em declarações à inforpress, Jailson Juff disse que a azáfama de construção dos carros alegóricos iniciou-se no mês de janeiro, mas por esta altura já começam a escassear os recursos e trabalham a “conta-gotas”.

“Já estamos a ficar apertados e numa corrida contra o tempo, porque estamos à espera da entrada dos apoios oficiais e de alguns patrocinadores que contactámos”, explicou este responsável, que avança um orçamento à volta dos 11 mil contos do qual pensam atingir “pelo menos 70 por cento (%)”.

Esta dificuldade financeira, que esperam resolver nos próximos dias e assim “acelerar mais” os trabalhos de construção de três ou quatro andores, dependendo da verba que conseguirem atingir, quando se está precisamente a um mês do Carnaval.

Afora isso, garante que “tudo corre bem”, principalmente nos ensaios, que iniciaram em finais de janeiro e que deverão contar com cerca de mil foliões para acompanhar o desfile do dia 05 de março no sambódromo do Mindelo.

Conforme Jailson Juff, no sábado, 02, organizaram um “assalto de Carnaval” na zona de Cruz João Évora, de onde o grupo é originário, e que serviu como ensaio técnico e para atrair “mais” pessoas a se juntarem ao grupo.

“Temos grandes expectativas e cada vez mais pessoas têm mostrado interesse em desfilarem connosco”, salientou, destacando o facto de as figuras do reinado virem do estrangeiro, de países como Estados Unidos, Espanha e Islândia e ainda a Porta-Bandeira da Inglaterra.

Todo um “juntar de esforços” que o grupo da zona norte de São Vicente está a fazer, segundo o seu presidente, para que o troféu de campeão, que os escapa há cinco anos, seja agora “reconquistada” em 2019 apostando com o tema “CPLP sem fronteiras/Lusofonia sem barreiras”.

Um outro grupo que também garante “estar de olho” neste galardão é o Estrela do Mar, que depois de ter estado sete anos fora do Carnaval mindelense, regressou este ano ao convívio da festa do Rei Momo.

Nesse âmbito, no passado sábado promoveu também uma pequena amostra onde “levantou o véu” do enredo que vão apresentar “A mensageira” que, segundo a direção do grupo, trata-se de “uma estrela enviada pelos Deuses de outras constelações para impedir a destruição do meio ambiente na Terra”.

Durante o evento, realizado num dos hotéis da cidade do Mindelo, foram ainda apresentados publicamente a música, porta-bandeira e mestre-sala, figuras do reinado e ainda a rainha de bateria.