Abraão Vicente fez tais declarações à imprensa, na madrugada de ontem, dia 3,, a meio dos desfiles dos dois grupos oficiais que participam este ano na festa do “Rei Momo” na “ilha do Chiquinho”, Copa Cabana e Estrela Azul. Este ano, por falta de condições, a direção do Brilho da Zona resolveu retirar-se.

Daquilo que viu, Abraão Vicente disse que “confirma-se a qualidade do Carnaval de São Nicolau”, destacando um “percurso muito interessante” e o facto de este ser “muito diferente” dos restantes carnavais em Cabo Verde, assumindo uma característica “muito popular”, com o envolvimento das várias localidades.

O governante destacou também o facto de haver um envolvimento da diáspora num sentido “mais amplo” possível, desde a vinda de vários elementos da diáspora à comparticipação destes para que a festa aconteça.

“A dinâmica aqui é diferente, frisou Abraão Vicente referindo-se à “qualidade dos andores”, a “minúcia em todos” os trajes e a “enorme vontade” que é percorrer todo esse caminho mesmo ao amanhecer.

Entretanto, o titular da pasta da Cultura defendeu que “é preciso um outro nível de organização”, em que não continue a existir apenas a parte espontânea. “Acredito que a população já está preparada para o atraso, para sair tão tarde, mas é preciso garantir, de facto, que os grupos saiam”, acrescentou.

“Eu fico triste por ver o desânimo do grupo que não conseguiu sair, mas isto tem tudo a ver com criar uma dinâmica e uma disciplina de trabalho e, provavelmente, termos a capacidade de desbloquear mais cedo as verbas, não só do ministério, mas também das outras entidades”, prosseguiu o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas.

Ainda durante as suas declarações, Abraão Vicente voltou a apelar para o envolvimento das empresas no financiamento do Carnaval, principalmente em São Nicolau, onde os grupos não recebem prémios, mas, mesmo assim, fazem-no pela vontade de manter viva esta manifestação cultural na ilha.

Para a mesma fonte, há que se diferenciar ainda mais aquilo que é o Carnaval de São Nicolau, dado que o de São Vicente está cada vez mais a se tornar profissionalizado no seu roteiro e no seu circuito.

“Mantendo este carnaval como popular por excelência, eu acredito que o Governo pode prestar um outro tipo de serviço”, disse Abraão Vicente para quem é preciso fazer “um outro tipo de acompanhamento” ao Carnaval de São Nicolau, para garantir que, pelo menos, haja os três grupos nos próximos anos e, também, que os mesmos façam a sua parte para que isto possa acontecer.

“Não é possível encerrar o Carnaval, fecharmos tudo e abrir no próximo ano, eu acho que o Carnaval precisa de ser acompanhado ao longo de todo o ano”, finalizou.