Hermínio Monteiro, que é vereador da Gestão Descentralizada de Santa Maria, fez essas considerações na cerimónia de entrega dos prémios dos vencedores do Carnaval 2019, esta quarta-feira na cidade turística de Santa Maria.

Parabenizando as agremiações carnavalescas, Patchê Parloa, Gaviões, Maravilhas do Sul, entre outros grupos de animação, que de “forma magnífica” abrilhantaram o Carnaval Sal 2019, Hermínio Monteiro disse que isso demonstra o empenho em elevar o Carnaval na ilha turística para um patamar eminente.

“De facto, é um esforço enorme para todos os anos, os líderes carnavalescos dedicarem o seu tempo para pôr em prática o seu conhecimento, trazendo temas interessantes, retratando a vida, a história (…). Isso tudo para mostrar que temos pessoas no Sal com capacidade para fazer um carnaval de qualidade”, enfatizou.

Porém, nem tudo são rosas, tendo o autarca feito advertência no sentido de os grupos se acautelarem no cumprimento do horário do desfile, cujos atrasos, denotou, “indispõem” as pessoas e tiram o brilho da festa carnavalesca.

“Não podemos, todos os anos assistir a esses atrasos. Temos que vencer essa questão. É inaceitável termos um carnaval com quatro horas de atraso. Isso não pode ser, não pode continuar. Há que se fazer um esforço para cumprir aquilo que está estipulado, relativamente ao horário”, advertiu.

“Nos Espargos, observamos a chegada de pessoas no horário previsto para o arranque do desfile, mas às tantas começaram a debandar, a se irem embora para as suas casas, porque o desfile carnavalesco não começou a hora marcada”, apontou, avisando que no próximo ano haverá penalizações, e não serão atribuídos prémios aos grupos incumpridores.

O grupo Patchê Parloa vence pela segunda vez consecutiva o Carnaval na ilha do Sal, tendo conquistado a maioria dos prémios, durante a cerimónia de entrega dos galardões, na cidade turística de Santa Maria, levando o cheque de 300 mil escudos e o troféu de melhor grupo do Carnaval do ano.

A autarquia investiu cerca de um milhão de escudos para os prémios, cujos valores variam entre 300 e 60 mil escudos, de acordo com a categoria e classificação, também destinados ao melhor andor e melhor música.

Em termos de grupo, o primeiro lugar arrecadou, trezentos mil escudos, o 2º, duzentos mil escudos.

O melhor Rei e Rainha levaram 60 mil escudos cada, enquanto Mestre-sala e porta-bandeira mereceram um cheque de 40 mil escudos cada.

A Rainha da Bateria, 20 mil escudos, o melhor andor ganhou 150 mil escudos, e a melhor música 30 mil escudos.

“Invenções do Homem – Passado, presente e futuro”, e “Roma – O império ataca”, foram os temas dos blocos carnavalescos, Gaviões e Patchê Parloa, respectivamente, que este ano estiveram em competição, numa festa do Rei Momo, também abrilhantada pelos grupos de animação.