Há dois anos quando se sagraram vencedores da primeira edição do Prémio Kakoy foram pegos de surpresa pois não tinham ouvido sequer falar do concurso.

São um grupo de amigos da zona de Ribeirinha em Mindelo e destacaram-se na terça-feira de Carnaval de 2016 com a satirização da problemática do desemprego. À ideia de levar o tema “Enterro do trabalho” à avenida juntaram-se cerca de 15 jovens.

“Em 2016, decidimos retratar o tema do desemprego porque é uma área que em Cabo Verde não está fácil. Foi uma forma de chamar a atenção para esse flagelo e acabou por valer muito a pena visto que conseguimos arrecadar o prémio”, explica Stephan Delgado, um dos elementos.

Individualmente, cada um já brincava o carnaval mindelense e sempre se mascararam à sua maneira mas a partir desse ano começaram a apostar, em conjunto, em temas fortes retratados em “mini andores”: em 2016 um caixão (“Enterro do emprego”) e no ano passado uma casa de tambor (“Casa Para Todos”).

Já no ano passado juntaram-se ao ‘núcleo duro’ do grupo outras pessoas e Stephan Delgado diz que estão abertos a quem queira também fazer parte.

Se há dois anos foram surpreendidos com o Prémio Kakoy, não escondem que no Carnaval de 2017 repensaram e trabalharam para regressar à avenida e maravilhar o público mindelense. “No ano passado já foi uma coisa pensada, estipulada e tudo planeado. Nós próprios é que fabricámos a casa de tambor que levámos à avenida. Não foi fácil passar aqueles dias todos no estaleiro a trabalhar para que tudo saísse bem … foi bem cansativo”, recordam.

Revalidaram assim o título de campeões na categoria dos grupos com a sátira à “Casa Para Todos” e frases como “Ess K Casa Para Todos”, “O sonho começa aqui” e“ Classe ‘P’ – Pobreza”.

Os promotores louvam a iniciativa do Prémio Kakoy que, segundo eles, serve para estimular principalmente os mais novos a serem criativos. “Há muita gente que não acredita nos jovens mas temos potencial e sempre podemos dar mais e mais”.

Este ano há a 3ª edição do Prémio Kakoy e os bicampeões de Ribeirinha vão voltar às ruas de Mindelo. O segredo é a alma do negócio e por isso sobre o tema que escolheram só levantam uma ponta do véu.

“Este ano, estamos a preparar uma surpresa bombástica. É sobre algo que afeta todos nós mas principalmente a camada jovem. É só isso que podemos dizer por enquanto. Esperamos que as pessoas gostem do que vamos trazer e o mais importante é nos divertirmos”, sorriem.

Os jovens já se tornaram conhecidos na sua comunidade e já sentem o peso da responsabilidade. “Há muita expectativa e muitas pessoas já perguntam se vamos ou não participar".

São movidos pela paixão que têm pelo Carnaval e garantem que vão à avenida essencialmente para se divertirem. Contudo é com segurança que afirmam que este ano regressam para voltar a vencer. “Independentemente do prémio, que já é uma grande ajuda, nós queremos nos divertir e mostrar às pessoas que também estamos atentos ao que se passa na nossa sociedade”.

Para o Prémio Kakoy, a espontaneidade, criatividade, originalidade e capacidade de entreter o público são alguns dos principais fatores tidos em conta na avaliação dos individuais e grupos espontâneos no dia do Carnaval em Mindelo.

O Carnaval Artesanal terá espaço este ano na Rua de Lisboa das 12h30 às 14h30 e das 14h30 às 18h00 nas ruas transversais. Haverá prémios do primeiro ao quarto lugar para grupos espontâneos e do primeiro ao terceiro lugar para individuais. Recorde-se que para esta 3ª edição a autarquia autorizou a utilização de carros e bicicletas estilizados.

“Kakoy”, nome dado ao Prémio, resulta de uma homenagem a uma das figuras, já falecida, mais conhecidas do Carnaval de São Vicente.