O grupo carnavalesco da zona de Vila Nova, Inter Vila não vai participar na edição deste ano do Carnaval da Praia. A informação foi avançada ao SAPO pelo presidente da agremiação, José “Lito” Fernandes.

O presidente do grupo fala em falta de condições, a vários níveis. “A placa de Vila Nova não tem electricidade há muito tempo e ainda não recebemos a primeira tranche da verba que a Câmara Municipal da Praia disponibilizou no dia 25 de janeiro aos outros grupos”.

“A CMP marcou uma reunião, que não estava no regulamento, com todos os grupos e como não participamos, fomos excluídos da verba”, diz indignado.

Por sua vez, contactada pelo SAPO, a CMP da Praia, na pessoa do diretor Ivan Santos, diz que quando lançou o edital do Carnaval 2019, reuniu-se com todos os grupos com aos quais exigiu alguns requisitos que não foram cumpridos pelo Inter Vila.

“Ontem tivemos a confirmação de que o grupo ia ficar de fora do carnaval. O Inter Vila pode alegar que a reunião não estava no regulamento, mas era uma das exigências que a CMP fez para ver se os grupos se organizavam”, disse o representante da CMP, Ivan Santos.

Espaço para estaleiro é outro dos desafios dos grupos da capital do país. “É um grande sacrifício e todos os anos temos que recorrer a favores”, diz Lito que afirma estar cansado das promessas.

A mesma fonte esclarece ainda que a CMP prometeu 750 mil escudos aos grupos e no contrato constam apenas 500 mil escudos.

“Não queremos participar do carnaval porque no ano passado ficamos com uma divida de 100 mil escudos. O dinheiro que a edilidade praiense disponibiliza todos os anos nem dá para fazer dois andores e muitas vezes tiramos do nosso próprio bolso”.

Ivan Santos por sua vez contrapõe que a verba total que a edilidade praiense disponibilizou aos grupos seniores é de 500 mil escudos, mas adianta que a mesma pode chegar aos 700 mil escudos. “O valor extra que podemos vir a disponibilizar aos grupos depende da prestação de contas de cada grupo”.

Lito acredita que o Carnaval da Praia precisa de mais atenção por parte das autoridades responsáveis para melhorar. “É preciso criar condições e a CMP tem que disponibilizar a verba cedo e não há um mês do evento. A edilidade praiense tem feito um esforço, mas só que em cima da hora”.

No que diz respeito ao patrocino do Ministério da Cultura, a mesma fonte revela que este ainda não se manifestou. “Ficamos só a mendigar. A cidade do Mindelo já está pronta para desfilar e na Praia ainda não há atrelados para os grupos. É preciso parar para pensar melhor o Carnaval da Praia”.

É de realçar que este ano o grupo de Terra Branca, Estrela da Marinha também não vai participar na festa do Rei Momo na cidade da Praia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.