O Governo vai disponibilizar 7.200 contos que vão serem repartidos por três grupos carnavalescos de São Nicolau e cinco de São Vicente, anunciou hoje o diretor nacional das Artes e Indústrias Criativas, Ivan Santos.

A revelação foi feita em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, para anunciar os grupos que irão ser contemplados com o financiamento do edital público de Carnaval 2017, lançado a 08 de Agosto de 2016.

“A profissionalização do Carnaval vem fazendo com que se torna o evento, uma das vertentes turísticas de excelência do país”, salientou Ivan Santos, assegurando que uma das medidas de políticas do Governo será o incentivo a uma geração de distribuição de riquezas no setor, proporcionando, assim, a criatividade, a geração de emprego, receitas e bem-estar.

Foi nesta linha que o executivo lançou a linha de financiamento ao Carnaval denominada “Carnaval Factory”, que, segundo Ivan Santos, se pretende ser política ativa de criação de emprego, ao incentivar toda a indústria à volta do Carnaval, especificamente nas ilhas de São Vicente e São Nicolau.

“O Governo assumiu propositalmente esta estratégica nessas duas ilhas por serem as que o Carnaval já conseguiu se estabelecer e trazer esta distribuição de rendimento e incentivo para a programação turística do país”, sublinhou o diretor nacional das Artes e Indústrias Criativas.

Mesmo sendo o desfile o produto final, clarificou que estão envolvidas neste processo várias indústrias e classes de profissionais que, de forma contínua, direta ou indiretamente, têm acesso a este financiamento das suas atividades, nomeadamente costureiros, hotéis, restaurantes, agências de viagens, entre outras.

De acordo com o edital e a disponibilidade financeira, foram contemplados oito grupos sendo três de São Nicolau, a Associação Copa Cabana, a Associação Estrela Azul e o Brilho de Zona, que vão receber 800 contos cada.

Esse montante será dividido em duas tranches, sendo a primeira de 200 contos e a segunda de 600 contos.

Dos cinco grupos de São Vicente foi contemplada com 800 contos a Associação Escola de Samba Tropical, e, com 1000 contos, o Grupo Carnavalesco Monte Sossego, Cruzeiros do Norte, Grupo Recreativo Flores do Mindelo e a Associação Carnavalesca Vindos do Oriente.

A distribuição dos montantes será efetuada em duas tranches, sendo que os contemplados com 800 contos receberão na primeira, 200 contos, e na segunda, 600 contos, os de 1000 contos na primeira tranche receberão 350 contos e na segunda 650 contos.

O diretor nacional das Artes e Indústrias Criativas garantiu que a primeira tranche vai estar nas respetivas contas dos grupos até ao final do ano.

De entre os critérios para beneficiar do financiamento, que este ano “não foram rígidos”, constavam a entrega das candidaturas no prazo limite, documentos de constituição dos grupos, conta bancária, prestação de contas, pagamento das suas quotas, sinopse do desfile e histórico dos três últimos desfiles.

Em relação aos montantes, o responsável lembrou que antes do lançamento do edital foram discutidos com os grupos para que soubessem, realmente, qual era a necessidade de cada um.

Além dos grupos financiados nesta linha, Ivan Santos adiantou ainda que o Governo vai apoiar as câmaras municipais, que vão apoiar os grupos de animação, escolas e jardins infantis.

“Congratulamo-nos e agradecemos a participação de todos neste processo, colaborando, assim, para uma boa intervenção do Estado no investimento necessário para que uma das maiores manifestações de rua, que é o Carnaval, possa acontecer e possa gerar rendimento para quem produz e satisfação para quem assiste, no caso o público em geral”, concluiu.