O grupo da zona de Terra Branca, Estrela da Marinha, vai retratar a história romana, no Carnaval da Praia. “Vamos trazer um cheirinho da Roma Antiga com alguma ficção e mitologia para dar mais brilho ao carnaval”.

A música do grupo está a ser composta pelo compositor mindelense Constantino Cardoso. “Houve um pequeno constrangimento em termos da música. O nosso compositor teve alguma dificuldade, mas garantiu-nos que até ao final da semana a mesma vai estar pronta. Sempre contamos com Constantino Cardoso e temos vindo a ganhar na categoria Música com os seus temas”, salienta orgulhoso o presidente do Estrela da Marinha, António Dias.

O grupo carnavalesco da zona de Terra Branca, pretende levar sete alas, cerca de 300 figurantes, um carro alegórico e dois tripés (mini carros alegóricos) para a Avenida Cidade Lisboa.

“Preparamos os nossos trajes para sete alas, mas muitas vezes é complicado as pessoas aderirem ao carnaval. Muitas vezes não têm condições financeiras para pagar os trajes e caso isso vier a acontecer vamos levar cerca de 5 alas ou menos, vai depender da adesão das pessoas”, afirma a mesma fonte.

No que se refere aos patrocínios, António Dias revelou ao SAPO que já receberam 500 mil escudos da Câmara Municipal da Praia e que este ano os grupos da Praia ficaram de fora do edital do Ministério da Cultura que abrange os grupos do Mindelo e de São Nicolau.

“A CMP prometeu-nos mais algum dinheiro, mas sem certezas não conseguimos fazer mais despesas. Devido à última experiência com o antigo ministro da Cultura, Mário Lúcio, que tinha nos prometido 100 mil escudos, este ano começamos os preparativos com dívidas. O atual ministro disse que não encontrou nenhum orçamento deixado por Mário Lúcio”, diz indignado.

Apesar dos constrangimentos derivados de 2016, António Dias afirma que os preparativos estão a correr bem. “Gostamos de ter tudo pronto, mas sempre deparamo-nos com algum constrangimento pelo caminho”.

Os ensaios do grupo arrancaram no dia 13 de janeiro e acontecem no Polidesportivo que fica atrás do mercado de Terra Branca.

Questionado sobre as adaptações na Avenida Cidade Lisboa feitas pela CMP, o presidente do Estrela da Marinha afirma que já tinha feito esta proposta para o edil praiense há vários anos. “No segundo ano em que desfilamos no carnaval da Praia, propomos à CMP para tirar os separadores da avenida e após 6 anos já é uma realidade.

Apesar do edil ter dito que o investimento foi tirado do Fundo do Carnaval e o orçamento dos grupos ter ficado aquém do desejado, vemos as mudanças com bons olhos”, conclui.