Em conversa com o SAPO, o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Praia, António "Tober" Silva, afirma, que para além de assumir as suas próprias responsabilidades, a CMP teve que assumir os da Liga do carnaval da Praia que não está a funcionar. “Os conflitos entre os grupos e a liga estão a colocar em risco o carnaval da Praia”.

“No ano passado, fizemos uma formação com o músico brasileiro Dudu Nobre que aconselhou aos grupos a criar uma Liga. A mesma foi criada, mas não cumpriu com as suas responsabilidades. Tinha que fazer um estatuto e não fez. Teve vários problemas com os representantes dos grupos, tendo o presidente pedido demissão. José “Lito” Fernandes do Inter Vila assumiu o cargo, mas continua a não funcionar”, disse "Tober" Silva ao SAPO.

A mesma fonte deixa claro que a responsabilidade da edilidade praiense é preparar o sambódromo com bancadas, tratar da segurança, do desfile e dos júris e o restante é da responsabilidade da Liga do carnaval.

Inter Vila e Estrela da Marinha fora do Carnaval da Praia 2019

Este ano, os grupos Inter Vila e Estrela da Marinha não vão marcar presença no desfile na Avenida Cidade Lisboa. O presidente do grupo carnavalesco da zona Vila Nova alega falta de condições e diz que o Inter Vila foi excluído da verba da CMP.

“A placa de Vila Nova não tem electricidade há muito tempo e ainda não recebemos a primeira tranche da verba que a Câmara Municipal da Praia disponibilizou no dia 25 de janeiro aos outros grupos”, afirmou José “Lito” Fernandes em entrevista ao SAPO. “A CMP marcou uma reunião, que não estava no regulamento, com todos os grupos e como não participamos, fomos excluídos da verba”, diz indignado.

Por sua vez, o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Praia, “Tober” Silva diz que o grupo não cumpriu com o regulamento e entregou os documentos necessários incompletos e fora do prazo estipulado.

“Fizemos uma reunião com todos os grupos onde analisamos a situação crítica existente e decidimos dar uma oportunidade aos mesmos. Apoiaríamos apenas os grupos organizados. Na semana passada, fizemos-lhes uma visita e constatamos que o Inter Vila não estava organizado e por isso foram excluídos da verba. O grupo não tem uma equipa e não consegue se organizar” diz “Tober” Silva que deixa claro que a não participação do Inter Vila no desfile nada tem a ver com a verba da CMP, mas sim com a falta de capacidade de organização do grupo.

No que diz respeito ao Estrela da Marinha, a mesma fonte diz que o grupo da zona de Terra Branca decidiu este ano não desfilar na avenida por razões pessoais e familiares.

Investimento de cerca de 8 mil contos no Carnaval

Para já, cinco grupos oficiais que vão marcar presença no carnaval da Praia contam apenas com o apoio da Câmara Municipal para a organização do carnaval. A edilidade já disponibilizou a primeira tranche da verba, 500 mil escudos, sendo que o apoio pode chegar aos 750 mil escudos. O vereador adianta que a Câmara Municipal da Praia vai investir cerca de 8 mil contos na organização do Carnaval da Praia, verba que engloba o apoio aos grupos, prémios e a organização do evento.

No que diz respeito ao patrocínio do ministério da Cultura, “Tober” Silva salienta que a CMP não tem certeza se vai receber algum patrocínio do mesmo. “Não sabemos quando e quanto é que vamos receber do Governo, mas se for uma quantia insignificativa não vamos aceitar”.

É de realçar que este ano o Governo disponibilizou 10 mil contos para apoiar o carnaval no país. Deste montante, 5 mil vão ser entregues para a Liga Independente dos Grupos Oficiais do Carnaval de São Vicente (LIGOV-SV). Os grupos de São Nicolau vão receber 800 contos e o restante montante vai ser atribuído às câmaras municipais espalhadas pelo país.

“O Governo tem a liberdade de ter a sua política sobre o carnaval, mas não entendo a distribuição do patrocínio. Mas que fique claro que a CMP não tem nada contra o apoio que o Governo disponibiliza aos grupos do Mindelo”, conclui.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.