É uma das cenas mais célebres, controversas e discutidas de "Titanic" (1997) e provavelmente da história do cinema: Jack Dawson (Leonardo DiCaprio) morre para que Rose DeWitt-Bukater (Kate Winslet) fique em cima de parte de uma porta de madeira em alto-mar até ser salva pelo único salva-vidas que procura sobreviventes.

Não havia espaço para os dois? Experiências científicas como a de um programa de Discovery Channel "Mythbusters" chegaram à conclusão que sim, a porta tinha espaço e aguentava com o peso dos dois amantes.

Há três anos, até Kate Winslet, alvo das piadas por supostamente não querer encolher-se para salvar o amado, disse ao apresentador Jimmy Kimmel que Jack "podia ter cabido naquele bocado da porta".

O tema regressou num divertido momento de uma entrevista que Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Margot Robbie deram à MTV durante a promoção de "Era Uma Vez em... Hollywood", o novo filme de Quentin Tarantino que chega aos cinemas portugueses a 15 de agosto.

O jornalista Josh Horowitz diz saber o que pensavam os colegas de DiCaprio pensavam sobre a morte de Jack, o que originou logo risos de todos.

O visado manteve um diplomático "sem comentários", mas Margot Robbie entusiasmou-se ao recordar que tinha pensado sobre o assunto e revirado os olhos com a cena.

A atriz carregou ainda nos tons ao chamar-lhe "a maior controvérsia da história do cinema" e DiCaprio acrescentou com um "de todos os tempos".

Brad Pitt ainda desviou o assunto ao dizer que tinha de ir rever a cena, mas acabou por não resistir e perguntou ao colega se ele não se podia ter "apertado" em cima da porta.

Como uma autêntica fã, Margot Robbie ainda quis saber se DiCaprio tinha avisado na altura para fazerem uma porta mais pequena, mas este sorriu sempre de olhar baixo e manteve o "sem comentários" antes de Brad Pitt rematar com um "magia do cinema".

O desfecho trágico de Jack foi defendido por Billy Zane, que interpretou Cal Hockley, o arrogante noivo de Rose, como "uma boa história".

"O herói tinha de morrer. Não sei o que mais podia ser. Tinha de acontecer", riu-se durante uma conversa com a Entertainment Weekly em fevereiro de 2018.

Já o realizador James Cameron arrasou desta forma todas as teorias científicas em 2012: "Vou telefonar ao William Shakespeare e perguntar por que razão Romeu e Julieta tinham de morrer".

Em novembro de 2017, numa entrevista à Vanity Fair a prpósito dos 20 anos do filme, desenvolveu mais a ideia de que o destino de Jack era inevitável: "Se ele tivesse vivido, o fim do filme teria sido inútil. O filme é sobre morte e separação, ele tinha de morrer. Portanto, se fosse isso ou a chaminé cair-lhe em cima, ele tinha de morrer. Chama-se a isso arte, as coisas acontecem por razões artísticas, não por razões físicas".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.